UAI
Publicidade

Estado de Minas LUTA CONTRA A COVID-19

Esperança é renovada com a largada da vacinação de crianças de 5 a 11 anos

Davi Xavante e Miguel Bittencourt abriram imunização infantil no Brasil e em Minas, como exemplo de etapa essencial, para os pais, na batalha contra o vírus


15/01/2022 04:00 - atualizado 15/01/2022 08:33

Davi Seremramiwe foi vacinado em São Paulo
Indígena da etnia Xavante, Davi, de 8 anos, deu a largada para vacinação estimada de 20 milhões no Brasil, segundo o Ministério da Saúde (foto: Nelson Almeida/AFP)
O indígena Davi Seremramiwe Xavante, de 8 anos, foi a primeira criança vacinada contra a COVID-19 no país, após muita polêmica e vencidas as resistências do presidente Jair Bolsonaro (PL) e do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, à imunização do público com idade entre 5 e 11 anos. A vacinação ocorreu por volta das 12h de ontem em evento organizado pelo governo de São Paulo. Em Minas Gerais, foi Miguel Bittencourt, de 10 anos, morador de Vespasiano, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, quem recebeu a primeira dose de imunizante.
 
“Senti muito feliz. Doeu, mas valeu a pena”, contou Miguel, que tem autismo e estava acompanhado da mãe, Deusmara Andrade. “Estou muito feliz, pois acredito na imunização. Todos deveriam vacinar seus filhos. É um sentimento de felicidade e gratidão”, afirmou ela, emocionada. Gabriela Duarte, de 9, que tem síndrome de down e cardiopatia congênita, além de bronquite e hipertiriodismo, também receber a dose no primeiro dia de vacinação. “Não doeu”, disse, com sorriso contagiante.
 
A mãe, a diretora escolar Fernanda Duarte, de 37, comemorou a vacinação.“Foi um alívio para todos nós quando recebi o convite hoje (ontem) para participar desse movimento histórico. Uma amiga que é neuropsicopedagoga dela me ligou perguntando se eu queria. Na hora, liguei para o médico dela para saber se ela poderia participar do processo”.

Os relatos de esperança na luta contra a doença respiratória foram dados ao Estado de Minas no mesmo dia em que o estado bateu novo recorde de contaminações pelo coronavírus, com 18.910 novos diagnósticos computados em 24 horas pelo boletim epidemiológico da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG). A marca anterior havia sido batida na quinta-feira, de 18.153 casos. Em Belo Horizonte, onde os indicadores da COVID-19 voltaram ao alerta vermelho, a vacinação de crianças começa amanhã pelo grupo prioritário.

Miguel Bittencourt não se importou com a dor no braço e disse ter ficado feliz, após ser vacinado
Em Vespasiano, na Grande BH, Miguel Bittencourt, de 10, recebeu dose em dia marcado por novo recorde de 18.910 infectados em Minas (foto: Túlio Santos/EM/D.A Press)


Controle


O primeiro lote de vacina contra o coronavírus da farmacêutica Pfizer destinado à imunização de crianças de 5 a 11 anos chegou ao Brasil às 4h45 de quinta-feira. A remessa contendo 1,2 milhão de doses desembarcou no Aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP). As doses foram encaminhadas para o Centro de Distribuição do Ministério da Saúde em Guarulhos, na Grande São Paulo, para passarem por um processo de controle de qualidade e temperatura.
 
Em todo o Brasil, o Ministério da Saúde estima imunizar 20 milhões de crianças. Inicialmente, serão contemplados os portadores de deficiência permanente ou com comorbidades, além de indígenas e quilombolas. Escolhido para abertura da campanha, Davi Seremramiwe pertence à etnia Xavante e é morador de Piracicaba, no interior de São Paulo, mas está na capital paulista para realizar tratamento médico.
 
Minas recebeu também ontem a carga inicial de imunizantes com 110 mil doses de vacinas infantis encaminhadas pelo Ministério da Saúde. A partir da próxima segunda-feira, novas remessas chegarão ao Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, instalado em Confins, na área metropolitana da capital.
 
Os pais ou responsáveis devem acompanhar as crianças nos locais de vacinação contra a COVID-19, manifestando sua concordância com a vacinação. Em caso de ausência de pais ou responsáveis, a vacinação deverá ser autorizada por um termo de assentimento por escrito.
A aplicação das primeiras doses no público infantil foi acompanhada pelo governador Romeu Zema e pelo secretário de Estado de saúde, Fábio Baccheretti. A previsão é de que até fevereiro todas as crianças com idade entre 5 e 11 anos sejam vacinados no estado. “Iniciamos e tivemos a oportunidade de estar presentes (na vacinação) das 10 primeiras crianças do grupo prioritário com a primeira remessa de 110 mil doses que chegou hoje (ontem). Estamos distribuindo a remessa para o todo o estado. É uma satisfação muito grande estarmos indo para mais essa etapa. Cada vez fica mais comprovado que a imunização é a solução”, afirmou Zema.
 
No primeiro dia da vacinação em Minas, Ana Carolina Pereira, de 31 anos, levou a filha Maria Jília Fonseca, de 5, para imunização em Vespasiano. A garota tem microcefalia causada pelo Zika Vírus.  “Eu vacinei a minha filha muito confiante e consciente.  A vacina vai possibilitar muito a nossa rotina porque ela faz tratamento em BH, em Pedro Leopoldo... E a criança fica muito exposta”, disse. Além disso, ela comemora a primeira dose antes do retorno das aulas.

Queda


 
Balanço do governo de Minas informou ontem os óbitos de 23 pessoas provocados pelo coronavírus. Especialistas da saúde atribuem a queda no número de mortes ao avanço da vacinação, inclusive às doses de reforço já aplicadas. Desde março de 2020, o estado notifica total de 2.330.228 pessoas infectadas. As mortes no estado somam 56.791. Até ontem, 2.179.420 mineiros se recuperaram da doença.

*Estagiária sob supervisão da subeditora Marta Vieira



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade