UAI
Publicidade

Estado de Minas VIRADA DO ANO

Vendas de fogos de artifício aumentam com vitórias do Galo e réveillon

Comerciantes do setor afirmam que vendas em Belo Horizonte duplicaram em comparação a 2020; jogos do Atlético contribuíram para este crescimento


30/12/2021 17:07 - atualizado 30/12/2021 18:19

Vendedor segura pacote de rojões em loja de fogos de artifício
Mauro de Freitas trabalha há mais de 20 anos com venda de fogos de artifício em Belo Horizonte (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
Nas movimentadas ruas do centro de Belo Horizonte, dezenas de olhares atentos buscam por produtos pirotécnicos. Pelos corredores das lojas, as diferentes tonalidades das embalagens de fogos de artifício prendem a atenção do consumidor. A alta procura no setor indica que um novo ano se aproxima. 

Não é incomum que brasileiros soltem foguetes para comemorar uma ocasião ou celebrar um feito. No réveillon, a queima de fogos de artifício já é considerada uma tradição no país. O costume, no entanto, é polêmico: o efeito sonoro produzido pelos foguetes pode prejudicar o bem-estar de idosos, recém-nascidos e pessoas com deficiência. Além de, em alguns casos, ser problemática para animais, domésticos ou não. 

No último dia 15 de dezembro, inclusive, a Câmara Municipal de Belo Horizonte aprovou, em primeiro turno, o Projeto de Lei que proíbe a queima e a soltura de fogos de artifício barulhentos na capital mineira. A decisão deve impactar significativamente o setor. 

Às vésperas da virada, o Estado de Minas foi às ruas para escutar comerciantes e consumidores de fogos de artifício. “Felizmente superamos 2020 e entramos neste 2021 com muita garra e com muita boa expectativa.  Encerramos o ano com as vitórias do Galo, os  torcedores todos comprando fogos. Agora com o réveillon a loja está cheia”, conta Mauro de Freitas, vendedor há 22 anos da loja Minas Pirotecnica. 

Ele relata que a loja quase fechou as portas em 2020. No auge da pandemia, as vendas despencaram no último réveillon.  “Ano passado foi quase zero de venda, mas muito ruim”, completa. 

Vitórias do Atlético foram 'esquenta' para o réveillon


Mauro comenta que as vitórias do Atlético representaram um verdadeiro “esquenta” para a virada do ano. Acostumados a ter alta nas vendas somente próximo às celebrações de final de ano, a torcida atleticana movimentou o setor. “Para mim foi um privilégio muito grande participar desta alegria  do povo mineiro, especialmente do povo atleticano”, comenta o vendedor. 

Entre uma venda e outra, ele relembrava os tempos difíceis do início da pandemia e, esperançoso, compartilhava as expectativas para o novo ano. “Vamos entrar 2022 sempre pensando no positivo”. 

loja de fogos de artificio, reveillon 2022
Queima de fogos no réveillon é tradição na família de Samuel Silva (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
Samuel Silva, de 19 anos, tem um sentimento semelhante.  “Apesar de 2020 ter sido um ano tão ruim, não podemos deixar de confraternizar e desejar um próspero ano”. O jovem foi à loja comprar uma caixa de fogos de artifício para celebrar com a família a chegada do novo ano, já que não pôde fazer isso no início de 2021. 

Na família de Samuel, a queima de fogos é tradição. Porém, ele busca opções com menos intensidade sonora, para evitar o impacto sobre a saúde dos animais. “Caso compre foguetes, compre os menos prejudiciais aos animais”, enfatiza.

Quanto à 2022, o jovem espera que a realidade volte ao que era antes da crise sanitária: “Que seja um ano de vitória e de alívio para todos nós”. 


* Estagiária sob supervisão do subeditor Frederico Teixeira


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade