UAI
Publicidade

Estado de Minas PARALISAÇÃO

Greve dos ônibus: 2º dia tem pontos lotados, trânsito ruim e irritação

Passageiros esperam até duas horas por uma condução, encaram ônibus extremamente cheios e trajetos demorados


03/12/2021 09:22 - atualizado 03/12/2021 15:07

Ponto de ônibus lotado no Centro de Belo Horizonte
Pontos de ônibus ficaram lotados no Centro de BH (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
O segundo dia da greve dos motoristas, deflagrada nessa quinta-feira (2/12) testou a paciência dos usuários do transporte público de Belo Horizonte


"Minha paciência já explodiu. Tem 45 minutos que estou aguardando meu ônibus. Isso porque, antes de vir pra cá, eu andei da minha casa até a BR para pegar outra condução. Lá, esperei uns bons 40 minutos também", queixa-se o vendedor Marlon Souza. Ele Mora em Vespasiano, na Grande BH, e trabalha no Centro da capital. 

A vendedora Maria Eduarda Dias, que desceu do coletivo por volta de 9h em frente ao Shopping Estação, na Região de Venda Nova, reclama  do trânsito lento e dos veículos extremamente lotados. "Vim espremida como numa lata de sardinha. E o meu trajeto, que normalmente dura 40 minutos, foi de mais de uma hora".

Marlon de Souza, usuário do transporte público em Belo Horizonte
O vendedor Marlon Souza, que mora em Vespasiano e trabalha no Centro de BH (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press)

A BHTrans, que monitora a circulação dos ônibus com a greve, informou que, até às 5h da manhã, os quadros de ônibus estavam em branco e sem viagens programadas.

Das 478 viagens previstas para o período, só 74 foram feitas, ou seja, 15% do total. 

A Estação Diamante, na Região do Barreiro, está fechada e, de acordo com a BHTrans, não tem previsão de reabertura. 

Impasse

As 10h desta sexta, o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte (Setra-BH) e o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte (Setra-BH) se reúnem em uma nova audiência de nova conciliação no Tribunal Regional do Trabalho (TRT). 

A expectativa é de que as duas partes cheguem a um acordo sobre as reivindicações do movimento grevista.

Até o momento, há um impasse. Os motoristas pedem reajuste salarial de 9% e correção dos vencimentos pela inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), pagamento do tíquete-alimentação no período de férias, intervalo máximo de 30 minutos entre as viagens, tíquete-alimentação de R$ 800, pagamento do tíquete no atestado, abono salarial 2019/2020, retirada da limitação do passe livre e elhoria no plano de saúde. 

Alegando crise - arrecadação de R$ 64 milhões contra gastos de R$ 100 milhõe -, o Setra-BH apresentou uma contraproposta. A classe patronal ofereceu aumento de 9%, com início do pagamento em dezembro de 202, reajuste de 9% no valor do tíquete-alimentação, e acréscimo de 10% no adicional de função (quando o motorista dirige e cobra passagem). 

A oferta foi rechaçada em assembleia pelos trabalhadores


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade