UAI
Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

3 ª dose: Saúde confirma redução de intervalo do reforço de 6 para 5 meses

Encurtamento do prazo visa manter os grupos mais vulneráveis e expostos à COVID-19 protegidos, caso de idosos e profissionais de saúde


12/11/2021 15:00 - atualizado 12/11/2021 16:28

Idoso toma a terceira dose da vacina em BH e mostra o cartão de vacinação
Em 6 meses, a imunidade contra a COVID conferida pelos imunizantes disponíveis entra em declínio. Redução do intervalo visa manter grupos vulneráveis e idosos protegidos (foto: Gladyston Rodrigues/EM)
O secretário de Estado de Saúde de Minas Gerais, Fábio Baccheretti, confirmou, nesta sexta-feira (12/11), a redução do intervalo de aplicação da dose de reforço da vacina contra a COVID-19 de seis para cinco meses. 


Segundo Baccheretti, a medida foi viabilizada pela entrega de 545.160 vacinas da Pfizer - imunizante aprovado pela Anvisa para o reforço - pelo Ministério da Sáude a Minas na última semana. O estado também conta com a chegada de ao menos mais 4 milhões de unidades do composto até o fim do ano. 

O encurtamento do prazo visa manter os grupos mais vulneráveis e expostos à COVID-19 protegidos, já que a imunidade conferida pelos imunizantes atualmente disponíveis no mercado entra em declínio a partir de seis meses após a conclusão do esquema vacinal.

"Os idosos, em especial, e trabalhadores da saúde, poderão se receber, com cinco meses de intervalo, a dose deforço", comemorou Baccheretti esta manhã, em entrevista coletiva concedida na Cidade Administrativa. 

Máscaras

A ampliação do reforço é um dos requisitos estabelecidos pelo governo para desobrigar do uso de máscaras ao ar livre . O secretário prevê que a abolição do equipamento pode ocorrer ainda este ano de forma escalonada, conforme o patamar de vacinação de cada um dos municípios. 

Outros critérios considerados pela pasta são a incidência do vírus - atualmente, são 30 casos para cada 100 mil habitantes -, e a ampliação da campanha para o público infantil. Até o fim do ano, a Anvisa deve liberar a proteção para a faixa de 5 a 11 anos.

"O que eu posso adiantar é que, provavelmente, vai ser heterogêneo no estado. A gente deve soltar uma nota vinculada à vacinação de cada município. Nós temos municípios com 75% de vacinados com duas doses do público alvo e outros com 68%. Não tem como tratar o estado todo da mesma forma se a vacinação é desigual", explicou o dirigente.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade