UAI
Publicidade

Estado de Minas MOBILIDADE

Obra avança com promessa de aumentar segurança em ciclovia na Pampulha

Obras na orla da Lagoa da Pampulha animam amantes das bikes. Com investimentos de R$ 5 milhões, projeto prevê alargamento da ciclovia


26/10/2021 06:00 - atualizado 26/10/2021 08:01

Traçado com ajuda de consulta pública realizada em julho, o projeto prevê qualificação de 7,1 quilômetros de ciclovia e já acalenta sonhos....
Traçado com ajuda de consulta pública realizada em julho, o projeto prevê qualificação de 7,1 quilômetros de ciclovia e já acalenta sonhos (foto: Jair Amaral/EM/DA Press)

Iniciadas logo após a consulta pública feita em julho e que serviu de base para o detalhamento do projeto, as obras de qualificação da ciclovia de 7,1 quilômetros de extensão entre a Rua Garoupas e o Clube Belo Horizonte, na orla da Lagoa da Pampulha, são vistas como chave para elevar a segurança e até mesmo para aumentar o prazer de quem gosta de pedalar na região e, de quebra, beneficiar também os pedestres.

Com investimentos de pouco mais de R$ 5 milhões e previsão de conclusão em sete meses – a depender das condições climáticas – o projeto prevê a elevação da ciclovia, hoje instalada no mesmo patamar da pista de rolamento dos veículos automotores para o nível da calçada. A pista será alargada em 2,5 metros, o que a tornará compatível com o grande fluxo de ciclistas bidirecionalmente, comum na orla da Pampulha, principalmente aos finais de semana. Além disso, está prevista a instalação de separação física da pista de caminhada por jardins, e também adequações geométricas.

Segundo a Prefeitura de Belo Horizonte, o projeto inclui a execução de travessias elevadas em todas as interseções e locais de atratividade do trecho. O objetivo das obras é promover o conforto e a segurança dos pedestres, em especial, aqueles com mobilidade reduzida. Também está prevista a readequação de toda a microdrenagem, isto é, melhorias do escoamento das águas pluviais, novas sinalizações verticais (placas) e horizontais (pinturas no solo).

Cláudio Cheib, servidor público de 54 anos, morador do Bairro Braúnas, é praticante do ciclismo há mais de 20 anos por lazer, e diariamente utiliza a orla da lagoa para pedalar e aposta nas faixas para aumentar a segurança de quem está nas bikes e dos pedestres no local, lembrando que o fluxo é intenso, principalmente nos fins de semana. Para ele, a requalificação da ciclovias é mais um ponto na segurança geral na Pampulha, que considera decorrente da mobilização da população. “Iluminaram a orla toda. Hoje a segurança, com presença não só da Guarda Civil, como da polícia, é enorme na Orla da Lagoa. Você sempre se depara com pessoas fazendo atividade física”, observa.

a ciclista Fernanda, espera um dia poder pedalar de Santa Luzia até a Pampulha
A ciclista Fernanda, espera um dia poder pedalar de Santa Luzia até a Pampulha (foto: Jair Amaral/EM/DA Press)
Já o engenheiro Michel Cardoso, de 39, morador do Bairro Santa Amélia, aderiu ao ciclismo há alguns meses e acredita que as obras vão melhorar bastante a mobilidade para quem pedala, embora possam causar transtornos momentâneos para o fluxo de carros em alguns horários.“O ponto que eu uso é mais próximo a Avenida Portugal, e o trânsito ficou em uma via só. Para quem tem que passar ali de carro está atrapalhando a passagem. Mas para ciclista e pedestre não atrapalha não, diz.

No momento, os serviços estão sendo executados em três trechos da Avenida Otacílio Negrão de Lima, com monitoramento e sinalização para motoristas e pedestres. São eles: entre a Rua das Garoupas e a Avenida Dom Pedro I; entre a Av. Dom Pedro I e a Alameda dos Flamboyants; e entre a Alameda dos Flamboyants e o Clube Belo Horizonte.

Fernanda Santos Reis da Cruz, produtora de vídeos, de 29, moradora de Santa Luzia e que se locomove até a orla da lagoa para a prática do esporte, diz que costumava pedalar apenas nos fins de semana, mas que agora pretende usar a bike diariamente. Ela diz que encontrou no ciclismo uma forma de associar o lazer à atividade física. Para Fernanda, as obras vão acabar com a disputa entre bicicletas e carros na região, reduzir os riscos e aumentar o prazer na prática do esporte. “Não sei se as obras vão atrair mais ciclistas. Mas acredito que as pessoas estão mais em casa e olham a bicicleta como uma alternativa mais prazerosa de exercício físico ao ar livre”. A ciclista defende a ampliação da iniciativa e sonha com a possibilidade de pedalar em segurança de sua casa, em Santa Luzia, na Região Metropolitana de Belo Horizonte até a orla.

Apesar de não haver um levantamento para o número de ciclistas que utilizam a Orla da Pampulha, a PBH informa que o local é fundamental para os ciclistas da capital, seja para o uso do lazer aos finais de semana ou mesmo como transporte, pois se conecta a diversos bairros na região.  *Estagiário sob supervisão da subeditora Rachel Botelho


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade