UAI
Publicidade

Estado de Minas INCÊNDIO

Casal de moradores de rua briga e coloca fogo em tudo o que tinham

Caso ocorreu na madrugada deste sábado, no Bairro Grajaú, em Belo Horizonte; após chegada dos moradores da região, casal fugiu


16/10/2021 09:46 - atualizado 16/10/2021 15:53

Rua Santa Cruz, no Bairro Grajaú, onde o casal se desentendeu e colocou fogo nos pertences
Local no Bairro Grajaú onde o casal se desentendeu e colocou fogo nos pertences (foto: Google maps/Reprodução)

Um casal de moradores de rua brigou e colocou fogo nos próprios pertences na madrugada deste sábado (16/10), na Rua Santa Cruz, no Bairro Grajaú, em BH. Os dois se empurravam, até que o homem pegou um isqueiro e colocou fogo em um pedaço de pano, jogando em cima dos pertences da mulher.

 

A discussão se tornou ainda mais acalorada, e a mulher, revoltada, pegou um pedaço de pau e arrastou uma de suas roupas atingidas pelo fogo até onde estavam os pertences do homem.

 

Ao ouvir a gritaria, moradores da região acordaram e correram para a rua. O casal, vendo a confusão, saiu correndo, com um gritando para o outro: “vamos embora” e “corre, corre”. Os moradores apagaram o fogo, na entrada de uma garagem desativada.

 

Quando os bombeiros chegaram, a situação estava controlada, mas, segundo o Boletim de Ocorrência (BO), as chamas chegaram a atingir um trailer que fica próximo e poderiam ter chegado ao muro do Colégio Cotemig. O casal não foi encontrado.

 

Repórter relata caso parecido há quase 40 anos 


O telefone toca, de manhã bem cedo, na Central do Corpo de Bombeiros. Do outro lado da linha, um morador do Bairro Prado pede socorro para um incêndio debaixo do elevado que liga o bairro ao Padre Eustáquio. Eram duas "malocas" se incendiando. Isso foi em 1983.

 


Naquele ano, eu estava completando um ano como repórter. Lá fui eu, junto com o fotógrafo, Pedro Graeff, e o motorista, Adão. Ao chegar ao local do incêndio, uma cena chocante. Os dois maloqueiros estavam abraçados, chorando. Juntos assistiam o fogo consumir seus poucos pertences, algumas mudas de roupa, um cobertor, panelas, que estavam dentro do cercadinho que chamavam de malocas.


Os bombeiros chegaram e apagaram o fogo imediatamente, pois apesar de poucas coisas nas malocas, as chamas eram altas e ultrapassavam a mureta do elevado. Aproximei deles e perguntei o que havia acontecido. Confesso, fiquei perplexo com a história e com muita pena.


Eles contaram que haviam brigado. E que num rompante, com raiva, um deles tinha colocado fogo no barraco do outro. O fogo pegou rápido, pois além de panos, a divisão entre eles era um tapume de madeira. 


Eles haviam perdido o pouco, que tinham. Abraçados estavam quando cheguei e abraçados permaneceram. Pediram aos bombeiros para não chamarem a polícia. O homem que seria a vítima pedia para que o amigo não fosse preso.

Quando o incêndio foi debelado, eles saíram do local e foram para a Via Expressa, e começaram a pedir dinheiro, num sinal. Contavam o que havia acontecido, que suas malocas haviam se incendiado e que perderam tudo. Queriam dinheiro para recomeçar.


 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade