Publicidade

Estado de Minas ALENTO NA PANDEMIA

Recorde: BH registra menor ocupação dos leitos de enfermaria em 2021

Boletim da prefeitura informa que 44,5% dos postos desse tipo estão em uso na cidade; por outro lado, transmissão do novo coronavírus tem segunda alta seguida


05/08/2021 18:36 - atualizado 05/08/2021 19:13

Capital mineira registra queda nos indicadores da COVID-19 com avanço da vacinação(foto: Isabel Baldoni/PBH )
Capital mineira registra queda nos indicadores da COVID-19 com avanço da vacinação (foto: Isabel Baldoni/PBH )
 

 

Belo Horizonte registrou a menor ocupação dos leitos de enfermaria para COVID-19 de todo o ano de 2021 nesta quinta (5/8). Apenas 44,5% dos postos desse tipo estão em uso nos hospitais públicos e privados da cidade, informa o boletim epidemiológico e assistencial da prefeitura.

 

 

 

O recorde anterior do ano era do dia 26 de julho: 44,7%. O indicador continua na zona de controle da escala de risco desde essa data: nove balanços em sequência.

Por outro lado, a transmissão do novo coronavírus (RT) teve sua segunda alta consecutiva nesta quinta-feira: de 0,92 para 0,94. Apesar disso, o parâmetro continua no patamar menos grave (verde), abaixo de 1.

 

 

 

O RT mede a velocidade do contágio pelo coronavírus na capital. No cenário atual, 94 pessoas se infectam pelo vírus a cada 100 diagnósticos confirmados na cidade. 

O terceiro principal indicador da pandemia, por sua vez, computou diminuição. A taxa de uso das UTIs caiu de 59% para 57,6%. Portanto, a estatística permanece no cenário de alerta (amarelo), entre 50 e 70 pontos porcentuais.

 



Essa é a situação dos leitos de terapia intensiva desde 25 de junho: 30 boletins em sequência.

O quadro dos leitos para COVID-19 na cidade permanece mais grave na rede pública do que na privada. No caso das UTIs, por exemplo, a ocupação no SUS é de 71% e nos hospitais suplementares de 42,8%.

Casos e mortes


Belo Horizonte registrou mais 30 mortes por COVID-19 nesta quinta-feira. Agora, a cidade soma 6.315 vidas perdidas. Esse é o maior registro de óbitos desde 23 de julho, quando outras 30 entraram para o balanço.

Em termos de casos, o crescimento foi de 826. BH totaliza 262.700 diagnósticos: 3.513 em acompanhamento e 252.812 recuperados, além daqueles que não resistiram à doença.

Vacinação


Belo Horizonte chegou à marca de 1.437.569 vacinados contra a COVID-19 com a primeira dose nesta sexta. Outras 656.612 pessoas receberam a segunda. Mais 58.769 tomaram a dose única da Janssen (Johnson & Johnson).

Portanto, a capital mineira vacinou 65,2% do seu público-alvo com a primeira injeção. Por outro lado, 31,2% desse mesmo contingente completou o esquema vacinal.

Em relação ao boletim anterior, a prefeitura contabilizou mais 25.680 aplicações de vacinas em BH: 12.440 de primeira etapa e 13.209 de segunda. Não houve desempenho de doses únicas nas últimas 24 horas.

Segundo números da prefeitura, já se vacinaram com a primeira dose:

  • 468.316 idosos acima de 60 anos
  • 208.590 pessoas do grupo de risco, deficientes e beneficiários do BPC
  • 13.298 gestantes e puérperas
  • 201.818 trabalhadores da saúde
  • 18.975 servidores da segurança pública
  • 69.468 profissionais da educação
  • 421.335 entre 36 e 59 anos
  • 35.769 de outros grupos, como moradores em situação de rua, motoristas e garis

Já com a segunda injeção se imunizaram:

  • 423.202 idosos acima de 60 anos
  • 42.610 pessoas do grupo de risco, deficientes e beneficiários do BPC
  • 1.662 gestantes e puérperas
  • 161.525 trabalhadores da saúde
  • 2.279 servidores da segurança pública
  • 58.769 pessoas entre 36 e 59 anos (dose única)
  • 25.334 de outros grupos, como moradores em situação de rua, motoristas e garis

A cidade recebeu 2.493.292 vacinas até aqui. A PBH não informa mais quantas doses recebeu de cada fórmula.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade