Publicidade

Estado de Minas ACOLHIMENTO

Instalação de placas em avenida de Ouro Preto amplia debate sobre suicídio

Proposta da comunidade quer que local conhecido como Curva do Vento, palco de mortes e tentativas de suicídio, seja ressignificado como Curva do Acolhimento


25/05/2021 18:45 - atualizado 25/05/2021 19:12

As placas servem como uma primeira e inovadora iniciativa para mudar a história da Curva do Vento e das pessoas que passam por ali(foto: Neno Vianna/Divulgação)
As placas servem como uma primeira e inovadora iniciativa para mudar a história da Curva do Vento e das pessoas que passam por ali (foto: Neno Vianna/Divulgação)
Ao longo dos últimos três anos, a Avenida Lima Júnior, conhecida como Curva do Vento, em Ouro Preto, Região Central de Minas Gerais, foi palco de diversos eventos envolvendo vítimas de suicídios.

As tentativas e consolidações são por causa de um perigoso precipício de mais de 200m de altura. Para amenizar a imagem de que o local é ponto de sofrimento e angústia, na sexta-feira (21/5) foram instaladas 13 placas informativas e de acolhimento.
 
De acordo com o 2º tenente do Corpo de Bombeiros Anderson Aquino, em 2018, foram registradas pela corporação 10 ocorrências de tentativas de suicídios e uma consumada. Em 2019, foram 16 tentativas e três consumados. E em 2020, foram 21 ocorrências, sendo uma consumada. 
 
Os crescentes dados apontam o que o Departamento de Saúde Mental e de Abuso de Substâncias da Organização Mundial de Saúde (OMS) afirma na cartilha de prevenção de suicídio, publicada em 2006: “A apropriada disseminação de informação e a consciencialização são elementos essenciais para o sucesso dos programas de prevenção ao suicídio”.
 
De acordo com o professor do Departamento de Medicina da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) Aislan de Assis, as placas servem como uma primeira e inovadora iniciativa para mudar a história do local e das pessoas que passam por ali.
 
“Estamos trabalhando para realizar intervenções culturais, artísticas e de acolhimento no local de modo a ressignificar o espaço, que é belo e aprazível, passando para um cenário de vida e beleza natural da cidade de Ouro Preto”.
 
O professor ressalta que o que é mais eficaz nas abordagens ao suicídio é o cuidado e acolhimento, por meio de ações de escuta atenta e qualificada, valorização do sofrimento e dos motivos que as pessoas apresentam.
 
“Nesse sentido, é importante a suspensão dos preconceitos e, especialmente, a construção coletiva de ações de prevenção humanizadas e com garantia de direitos que são fundamentais para o atendimento às vitimas e sobreviventes”.

Prefeito Angelo Oswaldo, Major Stella e o Professor Aislan de Assis na inauguração das placas(foto: divulgação/CBMG)
Prefeito Angelo Oswaldo, Major Stella e o Professor Aislan de Assis na inauguração das placas (foto: divulgação/CBMG)
 

Como começou

A iniciativa veio de uma proposta de prevenção no local apresentada pelo 2º sargento bombeiro Dionello Magalhães, após constatação do aumento gradual no volume de ocorrências dessa natureza.

A ideia foi prontamente acolhida pelo comando da fração e potencializada pelo comando da unidade.
 
Diante deste cenário, instaurou-se uma comissão multidisciplinar, formada por profissionais especialistas em áreas correlatas à temática do suicídio para a construção de uma proposta de intervenção.

A coordenação foi do 2º tenente Anderson Aquino, então comandante do pelotão de Ouro Preto, e a supervisão do major Kleber Silveira de Castro, estudioso do assunto há mais de 15 anos e que ministrou diversos treinamentos para os militares da corporação.
 
Aquino conta que todos os detalhes que compõem as placas, como cores, palavras e telefones de contato, foram cuidadosamente selecionados a partir das doutrinas existentes e debatidos entre todos os membros da comissão, que contou, além dos bombeiros militares, com médicos, enfermeiros, psicólogos e estudiosos da suicidologia.
 
A concessão de autorização para instalação das 13 placas foi feita pela prefeitura em fevereiro. Devido à entrada do município na onda roxa do Plano Minas Consciente, a instalação só foi feita nessa sexta-feira.
 
Na inauguração, o coordenador da comissão enfatizou que o local necessita de intervenções culturais em vários níveis com o propósito de redução do estigma gerado ao longo do tempo.
 
“A presença do prefeito de Ouro Preto, juntamente com demais representantes do Executivo e Legislativo municipais, refirmou o compromisso do poder público local em dar andamento à demanda”, disse o tenente Anderson.
 

Para além das placas

A cartilha da OMS aponta que, em termos da prevenção do suicídio, é importante considerar níveis de intervenção primária, secundária e terciária.

O nível primário diz respeito a pessoas que ainda não mostram sinais de tendência suicida, ou em que os transtornos são ainda muito limitados.

A prevenção deve focar-se no apoio e melhoria do funcionamento em contextos interpessoais e sociais, bem como em diminuir significativamente as condições de risco emocionais, físicas e econômicas.
 
O professor da UFOP Aislan de Assis conta que existe muito preconceito no modo de falar e abordar o suicídio.
 
“Alguns acreditam, inclusive, que não se pode falar nisso. Um erro, pois o silenciamento dessa experiência humana silencia também as pessoas que, devido a motivos tão diversos e particulares, recorrem à prática como recurso de esgotamento”.
 
Com a parceria da coordenadora de saúde mental de Ouro Preto, Paula de Brito, e a estudante de medicina da UFOP Ana Carolina Vaz foi realizado, em 2019, o curso de extensão “Abordagens do Suicídio: cuidado, acolhimento e prevenção”, com o objetivo de vencer o silenciamento em torno do tema.
 
“Esse é um problema grave e incidente em Ouro Preto, sensibilizando e convocando esforços para a construção de abordagens de cuidado e acolhimento às vítimas, sobreviventes e comunidades tão sofridas com esses acontecimentos”.
 
Segundo o professor, devido à pandemia do coronavírus, não foi possível dar seguimento às atividades já construídas na finalização do curso, que, entre tantas, previa a construção de um plano coletivo e popular para as abordagens do suicídio em Ouro Preto.
 

Para além de Ouro Preto

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, estima-se que 815.000 pessoas em todo o mundo cometeram suicídio ao longo do ano de 2000, o que representa uma morte a cada 40 segundos.

Em indivíduos que se encontram entre 15 e 44 anos, o suicídio foi a quarta causa de morte e a sexta causa de incapacitação.

Além disso, para cada óbito por suicídio, há no mínimo cinco ou seis pessoas próximas ao falecido cujas vidas são profundamente afetadas emocional, social e economicamente.  
 
Em todo o estado, o Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CBMMG) atendeu nos últimos cinco anos mais de 15.000 tentativas de suicídio – o SAMU Belo Horizonte, por exemplo, atende diariamente mais de 10 tentativas, seja via teleatendimento, seja com suas viaturas em campo.
 
Segundo o 2° tenente Anderson Aquino, a Polícia Militar de Minas Gerais, dada sua capilaridade, bem como as guardas municipais, são chamadas a atender ocorrências de difícil intervenção.
 
“Para isso, esses profissionais devem estar devidamente preparados técnica e taticamente”.
 
 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade