Publicidade

Estado de Minas VOLTA ÀS AULAS PRESENCIAIS

Professores em greve: sindicato fala em adesão de 60%; PBH trabalha com 32%

Segundo o Executivo municipal, pouco mais de 10% das escolas não funcionaram por causa da paralisação sanitária


03/05/2021 20:44 - atualizado 03/05/2021 21:02

-->-->-->-->

Emei Sagrada Família, na Região Leste de BH, em funcionamento na manhã desta segunda-feira (3/5)(foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
Emei Sagrada Família, na Região Leste de BH, em funcionamento na manhã desta segunda-feira (3/5) (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
 

 

O Sindicato dos Trabalhadores de Educação da Rede Pública de Belo Horizonte (Sind-Rede/BH) e a Prefeitura de BH divergiram em grandes proporções com relação à adesão dos professores à greve sanitária nas Escolas Municipais de Educação Infantil (Emeis) nesta segunda-feira (3/5).

 

De acordo com a prefeitura, 32% dos docentes não compareceram ao trabalho presencial. Já o Sind-Rede/BH trabalha com cerca de 60% de adesão à paralisação. A entidade é contra as aulas in loco, iniciadas em BH apenas nas Emeis.

 

Do total de unidades municipais, pouco mais 10% não funcionaram hoje em razão de greve, segundo a prefeitura.

 

Quanto à adesão das crianças, a prefeitura informa que os dados "serão consolidados ao longo da semana".

O sindicato, no entanto, informa que poucos alunos compareceram às Emeis nesta segunda, apesar de não apresentar números.

 

“O que a gente observou, na verdade, é uma ausência grande das crianças. Isso prova que a maior parte da sociedade entende que este não é o momento de levar seus filhos às escolas”, afirma Daniel Wardil, diretor do Sind-Rede/BH.

 

A greve, segundo a entidade, tem como motivação apenas a saúde dos servidores e da comunidade escolar, sem relação com o lado financeiro.

 

O sindicato já realizou duas assembleias para tratar sobre o retorno e em ambas a categoria decidiu pela greve sanitária. Nesta quarta-feira (5/5), um novo encontro on-line vai definir os rumos do movimento. 

A prefeitura tem informado que considera a ação legítima, mas lembra que a adesão ou não depende de cada servidor.

 

Nesse domingo (2/5), a reportagem do Estado de Minas flagrou escolas de educação infantil com cartazes em suas portas, informando sobre a greve.

 

Neste primeiro momento, apenas a educação infantil retorna. Ou seja, crianças entre 0 e 5 anos e 8 meses.

O anúncio foi feito em entrevista coletiva pela prefeitura.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade