Publicidade

Estado de Minas INVESTIGAÇÃO

Veja como o tráfico de drogas lavava o dinheiro obtido ilicitamente

Traficantes lavavam dinheiro com a compra de imóveis e carros de luxo; Operação Cali já dura sete meses


25/03/2021 16:58 - atualizado 25/03/2021 18:20

Delegado Marcos Vinicius diz que foram sete meses de investigações(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press )
Delegado Marcos Vinicius diz que foram sete meses de investigações (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press )

Mais um modus operandi do tráfico de drogas é descoberto e uma quadrilha desmantelada com a prisão de nove integrantes de organização criminosa, que praticava também o crime de lavagem de dinheiro, com a utilização de firmas falsas em Contagem e no interior de São Paulo. Em ambos os casos, duas auto-escolas serviam de fachada. No total, nove pessoas foram presas. Além disso, a polícia desvendou uma rota de entrada da droga em Minas Gerais.

  

Leia também: Operação conjunta mira tráfico e lavagem de dinheiro em Minas e São Paulo 

 


A descoberta da manobra dos traficantes aconteceu graças à Operação Cali, que já dura sete meses e foi uma ação conjunta entre o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), Polícia Rodoviária Federal (PRF) em Minas Gerais e Grupo de Combate a Organizações Criminosas (GCOC) da Polícia Civil.

 

Carros novos, de alto valor. Era assim que os traficantes traziam a droga de São Paulo para MG. A origem dessa droga era o Paraná, onde era dada a entrada pela fronteira com o Paraguai.

 

Segundo o delegado Marcos Vinicius Lobo Leite Vieira, do GCOC, a operação foi realizada em quatro fases. A primeira foi quando ocorreu a prisão de um homem, em Santo Antônio do Amparo, que tinha 20 quilos de cocaína escondidos em um carro de luxo.

 

Na segunda fase, os policiais prenderam o quarto homem mais procurado pela polícia em todo o Brasil. “Além dele, foi preso, também, seu braço direito”, diz o delegado Marcos Vinicius. Foram apreendidas, na ocasião, 45 quilos de parta base de cocaína.

 

A partir daí, segundo ele, detectou-se que a forma de atingir e golpear o tráfico seria atingindo o patrimônio da quadrilha. “Tal patrimônio foi obtido com o comércio ilegal de drogas.”

 

Os mandados de prisão e de busca e apreensão foram cumpridos em Embu das Artes, onde havia uma auto-escola, Taboão da Serra, Itapecerica da Serra, todas cidades de São Paulo, e em Contagem, onde era registrada a outra auto-escola.

 

"Ao investigarmos as auto-escolas, descobrimos que elas seriam donas de carros de luxo, o que é incompatível com seus objetivos e descobrimos imóveis também. Ou seja, todo o lucro obtido com as drogas era transformado em bens materiais de alto custo.

 

Além do delegado Marcos Vinícius, participaram da apresentação da conclusão das investigações o promotor de Justiça Gabriel Pereira de Mendonça, do Gaeco, e o inspetor Marcelo Silva Santana, chefe do Serviço de Operações da Superintendência da PRF em Minas Gerais.

 

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade