Publicidade

Estado de Minas FLEXIBILIZAÇÃO

Associações pedem, em carta aberta, reabertura do comércio em Uberlândia

A carta é assinada por Abrasel, Aciub, CDL, Sistema Fiemg e Sindtur e diz que abertura respeitaria regras de distanciamento e de higiene


25/03/2021 20:20 - atualizado 25/03/2021 20:36

Carta aponta não inclusão do setor produtivo nas discussões sobre COVID-9(foto: Divulgação/Prefeitura de Ubrlândia)
Carta aponta não inclusão do setor produtivo nas discussões sobre COVID-9 (foto: Divulgação/Prefeitura de Ubrlândia)
Apesar da situação preocupante na rede saúde em Minas Gerais, cinco associações que representam comércio, indústria e serviços pediram, em carta aberta, a reabertura das atividades econômicas em Uberlândia, no Triângulo Mineiro. O documento tem como destinatário o prefeito Odelmo Leão (PP) e diz que “a maioria da sociedade produtiva deve ser respeitada e é importante para a estabilidade e a governabilidade de qualquer lugar”.

A carta é assinada pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), pela Associação Comercial e Industrial de Uberlândia (Aciub), pela Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) local, pelo Sistema Fiemg e também pelo Sindicato Intermunicipal do Turismo (Sindtur).

A solicitação feita pelas entidades é de abertura imediata de todas as atividades econômicas, respeitando regras de distanciamento, higiene e saúde, assim como o uso de máscaras. 

São considerados dados levantados pelos próprios setores, como uma enquete feita pela CDL com 3 mil empresas que apontaria não existir “mais condição do empresariado manter suas atividades fechadas, em nome do combate ao coronavírus”.

Apesar de não haver apresentar estudos, a carta argumenta que “todos os meios científicos disponíveis para evitar o contágio da COVID-19, não se mostraram totalmente eficientes, porque o vírus sofre mutações constantes e, mesmo 'ficando em casa', ninguém está imune a ele”.

O documento ainda fala que “em um regime democrático não se pode impedir o direito de ir e vir do cidadão e que o artigo 25 da Declaração Universal de Direitos Humanos das Nações Unidas, define que toda família tem direito a um nível de vida que lhes dê condições de sobrevivência e bem-estar e que isto só acontece quando o trabalho é permitido de forma ampla, diversa e democrática, porque o Estado não produz renda, nem empregos, a não ser pelo recolhimento dos impostos oriundos da iniciativa privada”.

Existe também o apontamento da não inclusão do setor produtivo nas discussões sobre as ações para contenção da doença no município.

Até o fechamento dessa reportagem a Prefeitura de Uberlândia não havia se pronunciado sobre a carta.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade