Publicidade

Estado de Minas COVID 19

Vereador com COVID-19 é detido ao tentar impedir corte de água em Januária

Segundo a PM, ele recebeu ordem de prisão por desacato e por infringir medida sanitária que visa a 'impedir a propagação de doença contagiosa'


24/03/2021 17:42 - atualizado 24/03/2021 18:44

Vereador foi detido ao tentar impedir corte de água por funcionários da Copasa. Ele declarou estar com COVID-19, informa a PM(foto: Reprodução de Internet)
Vereador foi detido ao tentar impedir corte de água por funcionários da Copasa. Ele declarou estar com COVID-19, informa a PM (foto: Reprodução de Internet)

Um vereador foi detido no distrito de Riacho da Cruz, município de Januária (Norte de Minas) depois de interferir para tentar impedir o corte no fornecimento de água por funcionários da Copasa, devido à falta de pagamento. Segundo a Polícia Militar, além dos “crimes de desobediência e desacato”, a prisão do vereador foi motivada pelo fato de ele ter declarado estar com COVID-19 e assim “infringir a determinação do poder público (medida sanitária), destinada a impedir a propagação de doença contagiosa”.
 

O fato aconteceu nessa terça-feira (23/3). O nome do vereador não foi divulgado, mas a reportagem apurou que se trata do vereador Ernandes Alves dos Santos, o Nandão (Podemos).

Nesta quarta-feira, o Estado de Minas tentou, mas não conseguiu contato com a defesa dele. A informação apurada é que ele já foi liberado.

 

De acordo com a informação do 30º Batalhão da Policia Militar de Januária, na terça-feira uma equipe da corporação se deslocou até o distrito de Riacho da Cruz, “em apoio a funcionários da Copasa e após solicitação destes. Segundo os funcionários, um usuário estaria inadimplente há vários meses e, todas as vezes que os agentes se deslocavam ao local para realizar o corte da água, o usuário os ameaçava”. 

 

“Os militares questionaram o encarregado da Copasa se a ação estaria em conformidade com a decisão do governador (Romeu Zema), proferida no dia 18 deste mês, a qual visa reduzir os prejuízos provocados pela Onda Roxa, suspendendo os cortes de água e luz para os consumidores de baixa renda”, relatou a PM.

 

Segundo a corporação, o funcionário da companhia de saneamento relatou que esse morador não foi cadastrado como “consumidor de baixa renda” (como prevê decreto estadual).

E que “houve várias tentativas de realizar a negociação, porém, ele recusou todas as formas de parcelamento do valor devido”.   

 

De acordo com o 30º BPM de Januária, enquanto a questão era discutida, “compareceu ao local um senhor que se identificou como vereador de Januária e, em alto tom, afirmava que não aceitaria que fosse realizado o corte da água e inclusive repetia por diversas vezes que teriam que tirá-lo preso daquele local para que os servidores da Copasa pudessem realizar o serviço”.

Em dado momento, informou a PM, “o referido vereador afirmou para todos que ali estavam e solicitou que fosse gravado por outra pessoa que o acompanhava: “estou com COVID e nem poderia estar aqui”.   

 

O vereador ainda teria invadido a área demarcada para o serviço de corte do fornecimento de água e na sequência, desobecido a ordem dos militares para deixar o local.

Os militares deram voz de prisão ao vereador pelos crimes de desobediência, desacato e por infringir a determinação do poder público, destinada a impedir a propagação de doença contagiosa "indo até o cenário da intervenção, enquanto deveria estar isolado, uma vez que ele próprio alegou estar com COVID-19”, informou a PM.

 

Ainda conforme a PM, o vereador foi levado a hospital do município para “verificar suas condições de saúde” e, em seguida, conduzido à Delegacia de Plantão de Januária. 

 

“O serviço da Copasa (o corte de água do consumidor inadimplente) foi executado sem nenhuma outra intercorrência”, informou a Polícia Militar.

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade