Publicidade

Estado de Minas CORONAVÍRUS EM BH

Mandetta: 'Kalil é o prefeito com as posições mais pró-vida'

Ex-ministro da Saúde diz que prefeito de Belo Horizonte é 'ponto de referência' no combate à COVID-19


05/03/2021 07:00 - atualizado 05/03/2021 13:58

Ex-ministro enalteceu postura de Kalil ante a pandemia de COVID-19(foto: Rafael Alves/EM/D.A Press)
Ex-ministro enalteceu postura de Kalil ante a pandemia de COVID-19 (foto: Rafael Alves/EM/D.A Press)
Para Luiz Henrique Mandetta, ex-ministro da Saúde, Belo Horizonte é a capital brasileira que mais zela por seus cidadãos ante a pandemia do novo coronavírus. Ao Estado de Minas, ele elogiou a postura do prefeito Alexandre Kalil (PSD), em relação às medidas de enfrentamento à doença.

“Tenho acompanhado com muita atenção Belo Horizonte, pois sei que não é falta de uma visão muito responsável. Ele sempre foi muito responsável com a sua cidade. Não é que isso vá trazer uma imunidade, mas pelo menos zela por um ponto de equilíbrio. É claro que há uma crise e que é impopular e duro. Mas ele está mostrando, sim, que é responsável. Entre os prefeitos de capitais, é o que tem as posições mais pró-vida de todas as que vi até agora”, disse o médico.

A capital mineira soma 115.640 casos e 2.795 óbitos causados pela COVID-19. Para frear a disseminação da doença, a cidade tem apostado em restrições calculadas.

Embora seja filiado ao DEM, Mandetta guarda semelhança com Kalil no papel de destaque obtido durante a pandemia. A defesa da ciência e das medidas sanitárias fez com que ambos ganhassem status de lideranças nacionais importantes.

O prefeito de BH se aproximou dos democratas em janeiro deste ano, quando deu acenos positivos à candidatura de Rodrigo Pacheco à presidência do Senado Federal. O apoio dos pessedistas, referendado por Kalil, foi essencial para impulsionar a presença de um parlamentar por Minas Gerais na disputa.

Índices no vermelho


O estágio da pandemia em BH é norteado por três fatores. Segundo o boletim dessa quinta-feira (4/3), a ocupação de leitos de UTI, com 74,4%, está no nível vermelho, o mais crítico.

O índice de transmissão por infectado (Rt), em 1,18, está no estágio amarelo, que demanda atenção. Na mesma zona, o percentual de vagas de enfermaria com pacientes (60,8%).

As decisões são tomadas por Kalil e pelos integrantes do Comitê de Enfrentamento à COVID-19, liderado pelo secretário municipal de Saúde, Jackson Machado Pinto.

Em repetidas ocasiões desde o início da pandemia, o grupo optou por recuar na flexibilização e tomar medidas como o fechamento de serviços considerados não essenciais. A última vez ocorreu em janeiro.

A postura do prefeito belo-horizontino, na visão de Mandetta, o coloca como “ponto de referência” na árdua batalha travada contra o coronavírus.

“Belo Horizonte é uma cidade que acompanho muito de perto. Não vou citar prefeitos de capitais importantes, mas que, vira e mexe, ‘quebram a mão’, voltam atrás ou falam ‘não vou fazer nada, faz de conta que não estou vendo’. Ele (Kalil) faz. Acho que ele é um ponto de referência nesta luta. Percentualmente, BH tem tido resultado melhor que os que simplesmente lavam as mãos”, sustentou o especialista, que afirmou ter conversado com Kalil pela última vez quando ainda estava no Ministério da Saúde.

Até a sexta-feira passada (26/2), Belo Horizonte era a capital com as quartas menores taxas de incidência (casos por 100 mil pessoas) e de mortalidade (óbitos/100 mil). Nessa quinta, a retomada das barreiras sanitárias em pontos da cidade foram anunciadas.

Relembre


Ministro da saúde de janeiro de 2019 a abril do ano passado, Luiz Henrique Mandetta foi demitido pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) após divergências sobre o cumprimento de medidas cientificamente comprovadas para barrar a proliferação da doença.

Em seu lugar, assumiu o oncologista Nelson Teich, que ficou menos de um mês no posto.

 Veio então o general Eduardo Pazuello. Anunciado como interino, o homem de confiança de Bolsonaro acabou sendo efetivado.

CRÍTICAS A CORTES DE VERBAS


Luiz Henrique Mandetta considera que o governo federal tem responsabilidade na crise de leitos em todo o Brasil. “Em outubro, o Ministério da Saúde parou de pagar o financiamento de leitos de CTI (centros de terapia intesiva); foram fechados. Temos mais casos e menos leitos. Reativar leitos não é em um estalar de dedos. Tem que ter hospital, equipamentos e gente. Somos o país que mais perdeu profissionais de saúde no mundo. Esse povo está esgotado“, afirmou.

No entanto, o ministro não acha que seja alternativa viável chamar os médicos cubanos para resolver a falta de profissionais. Ele afirma que não sente a retirada deles do Brasil. “Os médicos brasileiros supriram a atenção primária mais do que aquela quantidade (de médicos cubanos). Estou com saudade de bons médicos. A formação médica brasileira está muito medíocre, muito baixa. Tenho visto o Conselho Federal de Medicina inerte em cumprir o papel de dar orientações técnicas, dizer o que é ético e como se tem que trabalhar", afirma.

Mandetta destaca que médico tem que ser bom profissional, independentemente de nacionalidade. “Se o médico é cubano, paraguaio, boliviano ou coreano, para mim tanto faz, desde que ele seja livre para atuar — e sempre critiquei que aquilo era negócio de Estado para Estado, e pessoas não são commodities. Médico tem que ser bom, filtrado e testado. Se não submeter meu conhecimento a algum crivo, não sou digno de ser chamado de médico”. 

A entrevista


Jornalistas do EM conversaram, por vídeo, com Luiz Henrique Mandetta. Entre essa quinta (4/3) e esta sexta-feira (5/3), pílulas da entrevista serão publicadas.

No domingo, vão ao ar os trechos que tratam de temas políticos, como a disputa eleitoral em 2022.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade