Publicidade

Estado de Minas DIESEL NAS ALTURAS

Grande BH: greve dos caminhoneiros preocupa empresas de transporte público

Em Belo Horizonte, circulam em média 1,2 milhão de pessoas por dia nos ônibus, e na Região Metropolitana são 600 mil, de acordo com o Sintram


26/02/2021 14:55 - atualizado 26/02/2021 15:28

Transportadores de combustível durante manifestação nessa quinta-feira (25/2) em frente à Cidade Administrativa(foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
Transportadores de combustível durante manifestação nessa quinta-feira (25/2) em frente à Cidade Administrativa (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
O anúncio da greve dos transportadores de combustível de Minas Gerais preocupa as empresas de transporte público. Cerca de 1,2 milhão de pessoas que utilizam o sistema de Belo Horizonte podem ser afetadas, além de outras 600 mil pessoas da Região Metropolitana.


A categoria pede redução do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) que incide sobre o preço do óleo diesel - de 15% para 12%. Segundo a entidade que representa 4,5 mil postos mineiros, o Minaspetro, caso a greve permaneça nas próximas horas, avisa o sindicato, certamente haverá desabastecimento em grande parte dos estabelecimentos. 

Esta falta de combustível pode afetar também o transporte público, que pode prejudicar cerca de 1,2 milhão de pessoas que circulam na capital diariamente, segundo a Empresa de Transporte e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans). 

Segundo Joel Paschoalin, presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte (SetraBH), o novo aumento do preço do óleo diesel pode gerar fechamento das empresas de transporte. “As empresas não têm condição de pagar o diesel nesse preço e o que vai acontecer é acelerar o processo de fechamento ou diminuição do nível de serviço. Não tem como a gente pagar um valor desse”, explicou.

Na Região Metropolitana de Belo Horizonte, a greve dos caminhoneiros pode afetar 600 mil pessoas do sistema metropolitano. O Sintram informou à reportagem do Estado de Minas que procurou a Secretaria de Estado de Infraestrutura e Mobilidade (Seinfra) e solicitou medidas para garantir a desobstrução de vias para que os passageiros não sejam impactados com eventuais atrasos provocados pela paralisação.

Em relação ao estoque de combustível, o Sintram informou que “cada empresa é responsável pela gestão do insumo”.  

Aeroporto

O Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, em Confins, informa que as operações ocorrem normalmente nesta sexta-feira (26/2) e que há reserva de combustível para atender a movimentação programada para os próximos dias.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade