Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Socorrista que superou fobia pede para todos se vacinarem contra COVID-19

Um vídeo de Rodrigo José dos Santos, de 38 anos, viralizou nas redes sociais; ele aparece tomando a vacina em Itumbiara, no interior de Goiás


24/01/2021 15:58 - atualizado 24/01/2021 16:37

Um vídeo do socorrista do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), Rodrigo José dos Santos, de 38 anos, tomando a vacina da COVID-19, viralizou nas redes sociais. Isso porque ele tem fobia de agulha e desmaiou ao receber o imunizante em Itumbiara, interior de Goiás.



Rodrigo, que trabalha no Samu há 13 anos, conta de onde veio sua inspiração. “Minha visão de socorrista é referente à minha mãe, que atuou por muito tempo nesta área e eu acho muito bonito. Então eu me dediquei e decidi seguir os passos dela”, relembrou.

Quanto à fobia de agulha, ele diz que vem desde a infância, com sete anos de idade. “Eu tenho pânico de agulha e nunca consegui superar. Por isso eu não costumo tomar medicação em público, os colegas que me conhecem sabem desse pânico e por isso sempre procuro um lugar reservado”, disse.

Porém, este medo desaparece na rotina da profissão. “Para fazer medicação em outras pessoas com a agulha, eu acho muito mais fácil e não vejo dificuldade em nada”, explica. Agora, que Rodrigo também tem a graduação de enfermagem no currículo, ele conta que o único problema foi durante a faculdade. “Quando os colegas tinham que fazer medicação em outros e essa parte pra mim foi mais difícil e eu não deixava, aí eu tinha este entendimento com os professores”, afirmou.

Em relação à vacina de COVID-19, ele disse que apesar de se sentir desconfortável pela fobia de agulha, se sentiu bem ao receber o medicamento. “Como somos linha de frente, temos que nos preservar ao máximo. Até agora não me deu nenhum efeito colateral, trabalhei normalmente no dia seguinte. Não fiquei tonto, não me deu vontade de vomitar e nem dor no braço eu tive”, ressalta.

O socorrista também destacou a importância de se confiar na ciência e pede para a população se vacinar, como ele. “Eu acho importante tomar, a gente tem que olhar os estudos científicos, não olhar o que o vizinho tá falando ou o Whatsapp e o Facebook”, afirma.
 
*Estagiária sob supervisão do subeditor Eduardo Oliveira 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade