Publicidade

Estado de Minas 6 DE JANEIRO

Dia de Reis: simpatia da romã volta à cena até com pedidos de vacina

Em tempos de pandemia da COVID-19, apelos do Dia de Reis vão também para a saúde, além do dinheiro. Data que fecha o ciclo natalino será marcada por shows em BH


06/01/2021 06:00 - atualizado 06/01/2021 07:42

No Mercado Central, em Belo Horizonte, o preço das romãs chegava a R$ 20 a unidade ontem(foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
No Mercado Central, em Belo Horizonte, o preço das romãs chegava a R$ 20 a unidade ontem (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)

 
As celebrações do período natalino chegam ao fim hoje, Dia de Reis, data que ganha força na tradição popular com a simpatia da romã para atrair dinheiro, afastar todos os males, pedir paz para o mundo e até vacina para acabar com a pandemia do novo coronavírus. Para quem não tiver a árvore no quintal, no jardim ou um amigo que sempre "aparece" na hora certa com a fruta, vale dizer que no Mercado Central de Belo Horizonte a romã pode custar até R$ 20.
 
Se nas casas é hora de desmanchar o presépio, nas ruas começa a retirada da decoração natalina. Em BH, após 36 dias de atividades, dentro dos protocolos sanitários, termina o festival Luzes da Liberdade, que também comemorou os 300 anos de Minas. O projeto contou com patrocínio da Cemig, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura, parceria do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha) e da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL-BH) e coprodução assinada pelas produtoras Casulo Cultura e Full Produções.
 
Para o encerramento do festival, está prevista uma programação especial a partir das 16h, com transmissão de show do cantor Eros Biondini pelo Instagram oficial @luzesdaliberdade, em parceria com o Servas. Em seguida, entre as 16h30 e as 18h, a folia de reis de Maurício Tizumba e o Tambor Mineiro comemora o Dia de Reis visitando o Palácio da Liberdade para acompanhar a última projeção do mapping assinado pelos irmãos Rafael e Ricardo Cançado. E, para finalizar, show de Makely Ka, marcado para as 20h. Toda a programação será transmitida pelos canais oficiais do Luzes da Liberdade – site e Instagram.

Salve, simpatia!


Adepta da simpatia, Marinês de Araújo vai pedir saúde, em vez de dinheiro, em tempos de pandemia (foto: Gustavo Weneck/EM/D.A Press)
Adepta da simpatia, Marinês de Araújo vai pedir saúde, em vez de dinheiro, em tempos de pandemia (foto: Gustavo Weneck/EM/D.A Press)
Todo dia 6 de janeiro, de manhã bem cedo, a cozinheira Marinês de Araújo faz a simpatia da romã, poderosa, segundo ela, para não deixar o “dindim” faltar na carteira. Mas agora é diferente. "Neste tempo da pandemia do novo coronavírus, meu primeiro pedido vai ser pela vacina contra a COVID-19. Saúde sempre em primeiro lugar, né?", avisa Marinês diante do seu pezinho de romã.
 
Cada um tem seu jeito particular de fazer a simpatia do Dia de Reis. Nesses tempos de crise sanitária, não custa nada apostar na sorte, diz Cleusa da Conceição Batista, a “cigana” do grupo de Pastorinhas de Santa Luzia. Pelo ritual, a pessoa deve engolir três caroços, jogar o mesmo número para trás e guardar o mesmo tanto na carteira. E ir repetindo a frase: “Gaspar, Belchior e Baltazar, que o dinheiro não venha me faltar”. Há ainda quem dobre a contagem, fazendo com seis sementes, numa referência ao dia 6, quando os reis magos visitaram o Menino Jesus. Além do dinheiro, pedidos de amor, saúde, paz e tranquilidade.
 
Com o fim das festividades, as praças perdem a iluminação característica do Natal, as famílias desmontam os presépios e a fachada dos edifícios volta ao normal, sem os pisca-piscas, as estrelas e demais enfeites que atraem os olhares de moradores e visitantes.
 
 

Serviço


Enceramento Festival Luzes da Liberdade – Rota da Liberdade 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade