Publicidade

Estado de Minas PRESENTE

Menino pobre sonha com o Natal e escreve para Papai Noel

Autor da carta tem apenas 5 anos e tem uma história emocionante


12/12/2020 11:36 - atualizado 12/12/2020 12:47

Carta escrita pelo pequeno Weylland Lorenzo, de 5 anos, para o Papai Noel(foto: Arquivo Pessoal)
Carta escrita pelo pequeno Weylland Lorenzo, de 5 anos, para o Papai Noel (foto: Arquivo Pessoal)

O Natal se aproxima e são muitas as histórias entre crianças e seu fascínio por Papai Noel. Uma dessas histórias começou a ser escrita pelo pequeno Weylland Lorenzo, de 5 anos, da pequena cidade de Dom Bosco, no Vale do Paranaíba. O menino sonha em ganhar brinquedos, para ele e para a irmã, Lorena, de 2.
 
Por isso, ele resolveu escrever uma carta para “o bom velhinho”. Na carta, escrita de próprio punho, ele pede roupas, calçados e uma botinha nº 32 para ele mesmo e uma bicicleta para Lorena.

Ao falar da carta, ele conta a situação da família, que é pobre e vive da agricultura. O pai, Raylson  Souza, de 23, trabalha na roça onde planta abóbora, feijão, quiabo, cana. Também faz bicos de capina e poda e como servente de pedreiro.  A mãe, Nikasia Gonçalves Dias, de 22, a “Nika”, trabalha quebrando baru, um legume lenhoso, que se assemelha a um coquinho.

“Pode ser uma bicicleta usada. Mamãe não tem condições. Ela tem muita conta para pagar”, conta Weylland na carta. Fala ainda que a família mora de aluguel. “A minha irmã gosta muito de bicicleta”, continua ele na cartinha. Mas ele não colocou no pedido a Papai Noel, o que ele gostaria de ganhar: um carrinho de controle remoto.

O menino foi estimulado a escrever a carta pela mãe. “Ele me pediu presentes de Natal. Falei que não podia comprar. Aí, tive a ideia de falar pra ele escrever uma carta. Ele me pediu para ditar o que tinha de escrever, e assim, eu fiz.”
Apesar de ter apenas cinco anos, o pequeno Weylland sabe escrever. A mãe conta que ele frequentou a pré-escola por três meses, este ano, antes da pandemia de COVID-19, mas que, desde então, ela, que tem apenas o ensino fundamental, segue ensinando o filho a ler e escrever. Nika conta que ficou ao lado dele, ditando e corrigindo quando escrevia alguma coisa errada. “A gente apagava e ele escrevia de novo.”

A família tem uma história de luta  e dificuldade. Eles são de Luziânia, em Goiás, e se mudaram para Dom Bosco para cuidar do pai de Raylson, que ficou doente. Hoje, segundo Nika, eles atravessam dificuldades para pagar o aluguel, no valor de R$ 120, e também para comprar soro para Weylland, que sofre de adenoide, e precisa ser medicado diariamente.

Nika e Weylland enfeitaram a carta, com recortes de símbolos do Natal. As doações para o Papai Noel de Weylland e sua família podem ser feitas através do contato pelo celular de Nika, (38) 9-9807-7767, que funciona apenas no Whatsapp.

Confira a carta:
(foto: Arquivo Pessoal)
(foto: Arquivo Pessoal)

 

O que é baru

O baru é um legume lenhoso aromático, castanho com uma única amêndoa comestível, que amadurece de setembro a outubro. As sementes são uma iguaria muito apreciada e nutritiva. É usado para alimentar animais silvestres e o gado. É apreciado também pelo homem, que o consome in natura ou como geleia. Por estar dentro de um coquinho duro, é difícil de ser retirado.

Nika usa uma lâmina forte e afiada para quebrá-lo. Ela trabalha em casa. “Os produtores trazem o coquinho aqui em casa e eu os quebro e junto o fruto”, conta ela, que ganha R$ 10 por saco de um quilo que enche. Faz dois por dia. O quilo do baru é vendido a um preço mínimo de R$ 80, em BH.



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade