Publicidade

Estado de Minas ESTADO DE ALERTA

Com estoques críticos, Hemominas faz campanha de incentivo à doação

Durante a pandemia do novo coronavírus, a fundação registrou queda de 30% no número de doadores


01/12/2020 12:11 - atualizado 01/12/2020 12:45

Tipo sanguíneo O positivo está em estado crítico no Hemominas, enquanto os outros estão em alerta(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
Tipo sanguíneo O positivo está em estado crítico no Hemominas, enquanto os outros estão em alerta (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
“Durante todo o processo de doação, os profissionais estavam bem preparados e eu me senti segura”, revela Janice Izabela Santos, de 24 anos, que fez doação de sangue durante o período da pandemia. Os bancos de sangue estão em estado crítico e precisando de mais pessoas assim como ela. Por isso, a Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH), a Fundação CDL e a Rádio CDL se uniram ao hemocentro para lançar a campanha “Doe gotas de vida”, de incentivo à doação.

No período da pandemia do novo coronavírus, a Fundação Hemominas registrou queda de 30% no número de doadores. Hoje (1º/12), o estoque está em situação crítica com cenário ainda mais delicado para o tipo sanguíneo O positivo. Enquanto os outros estão em estado de alerta.

Apesar dos casos do novo coronavírus estarem em alta, as unidades de saúde continuam atendendo pacientes com diferentes patologias, cirurgias ou lesões em acidentes de trânsito que precisam de sangue. A campanha está sendo lançada para fazer um alerta à população. “Temos mais de 12 mil associados e vamos comunicar diretamente a eles a necessidade de participar desta ação tão nobre e tão necessária para salvar vidas”, afirma o presidente da CDL/BH, Marcelo de Souza e Silva.

Thiago Sindeaux, responsável pelo Acompanhamento e Registro na Assessoria de Captação e Cadastro da Hemominas, revela que para a doação, o maior desafio em relação ao coronavírus é o isolamento social. “Sabemos que todos estão ansiosos, cercando-se de cuidados de higiene e evitando sair de casa, como é a recomendação. Entretanto, a demanda transfusional não para e, muitas vezes, não pode esperar. Trabalhamos com todas as medidas de segurança e reforçamos a todos que os hemocentros são locais de pessoas saudáveis, afinal, para doar sangue, a premissa básica é ter e estar com boa saúde”, pontua.

O relato da doadora de sangue Janice Izabela confirma que o procedimento está sendo feito de forma segura. “Ao chegar no Hemominas, fui orientada a passar álcool em gel e me entregaram um folheto com instruções que solicitava o contato com a fundação caso tenha qualquer sintoma de COVID-19 nos 14 dias após a doação”, conta. “Depois deste primeiro contato, fui encaminhada para a recepção, as cadeiras separadas e devidamente sinalizadas, respeitando o distanciamento. Todos os profissionais que me atenderam estavam bem equipados e sempre fazendo o uso do álcool em gel”, continuou. 

Outra questão que Janice pontua é o horário marcado. “Apesar de ter demorado um pouco mais do que de costume, o fato de ser agendado também ajuda no controle das pessoas”, afirmou.

O agendamento é feito de forma on-line no site do Hemominas (www.hemominas.mg.gov.br) ou pelo MGapp - Cidadão.

*Estagiária sob supervisão do subeditor Daniel Seabra


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade