Publicidade

Estado de Minas CIDADE DOS PROFETAS

Restaurado, Centro Cultural da Romaria, em Congonhas, é entregue à população

Complexo construído em 1932 passou por obras de restauração e requalificação com aportes de R$ 6 milhões


23/11/2020 06:00 - atualizado 23/11/2020 07:07

Complexo será reinaugurado hoje, às 14h. Projeto ainda inclui a construção do Teatro Municipal(foto: Rodrigo Gouvea/Divulgação)
Complexo será reinaugurado hoje, às 14h. Projeto ainda inclui a construção do Teatro Municipal (foto: Rodrigo Gouvea/Divulgação)


Com um santuário reconhecido como Patrimônio da Humanidade e palco de obras-primas que glorificam a arte de Antonio Francisco Lisboa, o Aleijadinho (1738-1814), Congonhas, na Região Central do estado, terá nesta segunda-feira (23) um dia especial para se orgulhar ainda mais da sua história e valorizar os monumentos.

Após obras de restauração e requalificação, será entregue à comunidade o Centro Cultural da Romaria, complexo construído em 1932 e alvo de investimento de R$ 6 milhões por meio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), autarquia vinculada ao Ministério do Turismo e à Secretaria Especial da Cultura. 

O projeto ainda inclui a construção do Teatro Municipal, totalizando R$ 19 milhões investidos na chamada Cidade dos Profetas.

À cerimônia de reinauguração, às 14h, no local, estarão presentes o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, a presidente do Iphan, Larissa Peixoto, a superintendente em Minas do Iphan, Débora do Nascimento França, e o prefeito local José de Freitas Cordeiro (PSDB).

Mesmo em meio aos impactos da pandemia de COVID-19, diz o ministro, o governo federal manteve a agenda de investimentos no país, "entendendo a essencialidade de aprimorar as condições de infraestrutura, incluindo os nossos destinos turísticos”.

Para a presidente do Iphan, Larissa Peixoto, a iniciativa reforça o papel do instituto na preservação e garantia da história e patrimônio cultural do Brasil. “Garantimos a memória da nossa história e do patrimônio daquilo que temos de mais rico no país. É uma forma de devolver à população parte da sua história”, ressaltou.

O prefeito de Congonhas conta que conseguiu aprovar 10 ações no PAC Cidades Históricas elaborando projetos com recursos próprios, o que foi o diferencial.

"Desde 2016, Congonhas tem recebido, graças a esse trabalho, obra de restauração e qualificação de bens tombados e espaços a céu aberto em ambiência histórica. A Romaria é um prédio imponente e bonito. Em 1995 foi construído tal qual o original, com projeto do arquiteto Sylvio de Podestá. Agora, novamente com projeto dele, requalificamos, com recursos do Iphan, um espaço destinado às atividades culturais", afirmou Cordeiro.

Turismo religioso

De acordo com o Iphan, as obras consistiram na restauração do Centro Cultural da Romaria e na construção do Teatro Municipal, integrados ao Parque Ecológico da Romaria. Foram feitos ainda o calçamento de pisos e arquitetada a infraestrutura elétrica, hidráulica, de áudio e de vídeo.

O turismo religioso sempre foi forte em Congonhas, especialmente no período de 7 a 14 de setembro, quando ocorre a centenária peregrinação ao Santuário Basílica Senhor Bom Jesus de Matosinhos, reconhecido como Patrimônio Cultural Mundial pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

Erguido em forma circular, o Centro Cultural da Romaria fica na Alameda Cidade de Matosinhos de Portugal, no Conjunto Arquitetônico e Urbanístico de Congonhas, tombado pelo Iphan em 1941.

Até o início da década de 1960, o prédio era usado como pousada de romeiros e fiéis. Vendido a um grupo empresarial, chegou a ser demolido, restando apenas os pórticos de entrada do antigo prédio, estruturas essas tombadas pelo Instituto Estadual de Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha).

Mas, em 1995, novamente de posse da prefeitura, o pórtico foi restaurado, com reconstrução de algumas salas, além do Museu de Mineralogia e Arte Sacra e restaurante.

Parque


Também por meio do Iphan, o Ministério do Turismo vai investir R$ 6 milhões nas obras de construção do Parque da Romaria de Congonhas, que deve ser entregue no primeiro semestre de 2022 e está sendo erguido entre os principais monumentos da cidade, como o Museu Congonhas e o santuário.

O objetivo, conforme a direção do Iphan, é aliar a conservação ambiental a atividades de lazer, culturais e turísticas, com a oferta de um borboleteio, orquidário, trilhas, entre outras atrações. De forma a interligar os espaços culturais existentes, como o próprio Centro Cultural da Romaria, o Teatro Municipal que está sendo construído e o Museu de Congonhas.

Congonhas é uma das mais de 2 mil cidades brasileiras que integram o Mapa do Turismo, iniciativa do Ministério do Turismo que identifica os municípios com vocação turística ou impactados pelo setor de viagens, mapeando as necessidades de investimento e facilitando a destinação de recursos federais para fomentar o setor.


Referência nacional


Congonhas se destaca como referência nacional em gestão do conjunto histórico. A avaliação foi de especialistas presentes ao Seminário Internacional Gestão de Sítios Culturais do Patrimônio Mundial no Brasil, promovido, em agosto de 2018, pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), na cidade de Goiás (GO).

O exemplo decorreu da apresentação, em tempo hábil, dos projetos de restauro do Santuário do Bom Jesus de Matosinhos e outros bens e posterior aplicação dos recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) das Cidades Históricas, com transparência.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade