Publicidade

Estado de Minas LESTE DE MINAS

Valadares cogita instalar radar no Mergulhão para conter acidentes

Depois da morte de motoboy no choque com mureta do Mergulhão, no sábado, pista teve engavetamento com quatro carros


27/10/2020 17:20 - atualizado 27/10/2020 18:05

A ponta da mureta lateral é um obstáculo no meio da pista. Foi nessa ponta que o motoboy bateu e morreu na hora(foto: Tim Filho)
A ponta da mureta lateral é um obstáculo no meio da pista. Foi nessa ponta que o motoboy bateu e morreu na hora (foto: Tim Filho)
Os acidentes graves – e frequentes – na passagem sob os trilhos da Estrada de Ferro Vitória a Minas, conhecida como Mergulhão, em Governador Valadares, mobilizaram grupos organizados da comunidade para exigir da prefeitura, uma solução para o problema. Na segunda-feira (26/10), um grupo de motociclistas promoveu um buzinaço próximo ao local onde o motoboy Arthur Magalhães Cândido morreu na noite de sábado, depois de bater na mureta-guia do Mergulhão e ter morte instantânea

 

No fim da tarde de segunda-feira, um engavetamento de quatro veículos na pista de mergulho sob os trilhos, no sentido bairro-centro, causou lentidão no trânsito e irritou a muitos e reacendeu o debate acerca dos perigos do Mergulhão.

 

A Polícia Militar informou que está empenhada em resolver o problema, fazendo operações educativas, orientando os motociclistas para ter cuidado com os limites de velocidade e atenção especial no trecho.

 

Em 10 de agosto, a prefeitura informou que estava atenta ao problema e havia preparado as intervenções que seriam feitas no local. À época, segundo a prefeitura, as intervenções seriam feitas em caráter de urgência, para evitar os abusos dos motoristas que faziam as conversões em local proibido, mesmo com as muitas placas de sinalização que estão instaladas no local.

 

Mas a prefeitura apenas intimidou alguns motoristas a fazer as conversões proibidas na entrada do Mergulhão, com a extensão do canteiro central da Avenida Minas Gerais até alguns metros para dentro da pista de mergulho sob os trilhos. Outros, mesmo com a extensão do canteiro, se arriscaram e fizeram a conversão.

 

 

Com a ocorrência de mais acidentes depois dessa intervenção, com mais carros e motos batendo na mureta-guia, a Ppefeitura estuda colocar um radar no local e reforçar a sinalização. A instalação de quebra-molas foi descartada por causa da “onda verde”, que determina a abertura dos semáforos em sequência na Avenida Minas Gerais.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade