Publicidade

Estado de Minas TRÂNSITO INTERDITADO

Tombamento de carreta de etanol interdita a BR-262; havia risco de explosão

A rodovia, situada entre Araxá e Uberaba, no Triângulo Mineiro, permanece interditada e equipe do 8º BBM, especializada em produtos perigosos, atua no local


13/10/2020 11:47 - atualizado 13/10/2020 12:10

Equipe do 8º BBM atuando no intuito de controlar o risco de explosão(foto: 8º BBM/Divulgação)
Equipe do 8º BBM atuando no intuito de controlar o risco de explosão (foto: 8º BBM/Divulgação)
Devido a risco de explosão, ambos os sentidos do trânsito da BR-262, entre Uberaba e Araxá, estão interditados depois do tombamento de uma carreta carregada com etanol no início da manhã desta terça-feira (13). O motorista, que não sofreu ferimentos, perdeu o controle do seu veículo por motivos desconhecidos a cerca cinco quilômetros após a cidade de Peirópolis, sentido Uberaba/Araxá. 
 
Segundo informações do comandante do 8º Batalhão de Bombeiros Militar (BBM), o tenente coronel Anderson Passos, foi preciso fazer o isolamento da área em 100 metros pelo risco de explosão, sendo disponibilizado desvio para tráfego alternativo em uma estrada vicinal.

“Os tanques já estão vazios, porém expostos ao sol, o que significa que estão cheios de gases inflamáveis, havendo, portanto, risco de explosão. Um dos perigos é a energia estática acumulada, o que pode gerar uma descarga. Depois de aterrar, o procedimento seguinte é aplicar espuma. Ela forma uma camada isolante. Age então por abafamento, eliminando um grande tormento”, explicou
 
Equipe do 8º BBM, especializada em produtos perigosos, atua no local. Até a publicação desta matéria, os trabalhos continuavam, sendo que o trecho da BR-22 permanecia interditado.

“Ainda bem que choveu por aqui estes dias, senão certamente um incêndio haveria naquele local. O plano no momento é controlar o risco e logo a pista deve estar liberada. Mas é preciso informar que isso pode demorar”, contou o comandante do 8º BBM.
 
Conforme prevê a lei, nestes casos a transportadora responsável pela carreta com produto inflamável deve ter um contrato com uma empresa de emergência para fazer o transbordo da carga.

“Até lá, o jeito é esperar. Mas após terminar nossa parte, vamos avaliar se, talvez seja possível liberar o trânsito no sistema de pare e siga”, finalizou Passos.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade