Publicidade

Estado de Minas DISCUSSÃO

Acusado de tentativa de feminicídio vai a júri, em Belo Horizonte

A vítima, namorada do homem, foi esfaqueada na cabeça e no pescoço. Crime ocorreu em março deste ano


18/09/2020 21:12 - atualizado 18/09/2020 21:47

A arma usada no crime foi uma faca. A vítima era namorada do agressor(foto: Reprodução/Pixabay)
A arma usada no crime foi uma faca. A vítima era namorada do agressor (foto: Reprodução/Pixabay)
Um homem de 28 anos acusado de tentativa de feminicídio, no dia 13 de março deste ano, vai a júri popular, em Belo Horizonte. O crime ocorreu no Bairro Vista do Sol, Região Nordeste da capital. A vítima, namorada do homem, foi esfaqueada na cabeça e no pescoço. Segundo a denúncia do Ministério Público, o acusado e a vítima se relacionaram durante um mês e moravam juntos.
O motivo do crime foi uma discussão no momento em que a vítima se preparava para sair para o trabalho na companhia de uma amiga. O acusado, que não teve o nome divulgado, alegou em depoimento que tentou contra a vida da namorada porque ficou inconformado quando a companheira disse que iria para o trabalho para sustentar a filha. Logo após cometer o crime, o homem roubou o celular da amiga da vítima como forma de impedir que a Polícia Militar fosse acionada.

A decisão de levar o réu a júri foi dada pelo juiz sumariante do 1º Tribunal do Júri, Marcelo Rodrigues Fioravante, e foi publicada no Diário do Judiciário eletrônico (DJe) no dia 3 de setembro. O juiz levou em consideração as provas apontadas, como o depoimento da vítima e do próprio acusado, que indicaram indícios da tentativa de homicídio e de furto.

Flagrante

De acordo com o boletim de ocorrência, o homem ainda tentou fugir embarcando em um ônibus coletivo. O acusado foi autuado em flagrante e confessou o crime. Ele foi encaminhado para a delegacia. Na mochila que portava no momento da ação policial, foram encontradas roupas sujas de sangue.

A sentença de pronúncia determinou que o réu seja acusado de tentativa de homicídio qualificado por dificultar a defesa da vítima, motivo torpe, em razão da vítima ser do sexo feminino (feminicídio) e ainda com agravante pelo crime ter sido cometido durante a pandemia da COVID-19.
 
* Estagiário sob supervisão da subeditora Ellen Cristie.  


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade