Publicidade

Estado de Minas IBGE

Insegurança alimentar faz parte de um terço dos domicílios mineiros

Mais de 233 mil passam por privações graves, quando há ruptura nos padrões de alimentação, resultante da falta de alimentos entre todos os moradores, incluindo as crianças


17/09/2020 13:42 - atualizado 17/09/2020 14:16

(foto: 2.com/Reprodução)
(foto: 2.com/Reprodução)
Em Minas Gerais, 31,2% dos domicílios têm algum tipo de insegurança alimentar, apontou a Pesquisa de Orçamentos Familiares – POF 2017/2018 do Instituo Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE.
Em Minas Gerais, enquanto 68,8% dos domicílios estão classificados em um grau de segurança alimentar, 21,8% se classificam como insegurança alimentar leve, 6,1% moderada e 3,3%, cerca de 233.000 domicílios, estão classificados como insegurança grave
 
Os resultados de Minas Gerais são semelhantes aos das outras unidades da federação na Região Sudeste, sendo que São Paulo apresenta o menor percentual de domicílios com insegurança alimentar grave da região (2,4%). A situação, porém, é bastante variável em outras regiões brasileiras. 
 
O instituto utiliza uma escala para medir o nível de segurança alimentar nos domicílios pesquisados, e aplica a Escala Brasileira de Insegurança, investigando a perceção das famílias nos 90 dias anteriores à pesquisa.
 
A família que tem acesso regular e permanente a alimentos de qualidade, em quantidade suficiente, sem comprometer o consumo de outras necessidades essenciais é considerada com segurança alimentar.
 
Para os domicílios com insegurança leve, é considerada a preocupação ou incerteza quanto ao acesso aos alimentos no futuro; qualidade inadequada dos alimentos resultante de estratégias que visam a não comprometer a quantidade de alimentos.

Insegurança alimentar moderada é a redução quantitativa de alimentos entre os adultos e ruptura nos padrões de alimentação resultante da falta de alimentos entre os adultos.
 
Já a insegurança alimentar grave é quando ocorre redução quantitativa de alimentos também entre as crianças. Uma ruptura nos padrões de alimentação resultante da falta de alimentos entre todos os moradores, incluindo as crianças. Nessa situação, a fome passa a ser uma experiência vivida no domicílio.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade