Publicidade

Estado de Minas BOA NOTÍCIA

Nova União consegue 'zerar' casos de COVID-19

Cidade que já registrou 27 testes positivos com pessoas em isolamento está há 12 dias sem novos casos e com todos os pacientes recuperados


19/08/2020 16:02 - atualizado 19/08/2020 21:35

Há dois dias não ocorre novas notificações do novo corovavírus em Nova União. Até agora a cidade não registrou nenhum óbito pela doença.(foto: Associação de Produtores Rurais de Nova União/Divulgação)
Há dois dias não ocorre novas notificações do novo corovavírus em Nova União. Até agora a cidade não registrou nenhum óbito pela doença. (foto: Associação de Produtores Rurais de Nova União/Divulgação)

Notícias boas em relação à pandemia do novo coronavírus são raras e, por isso, válidas de serem comemoradas. É o caso da cidade de Nova União, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), que há 12 dias se mantém sem casos notificados ou confirmados da COVID-19. O município, que tem pouco mais de 5 mil habitantes, chegou a ter 27 testes positivos e pessoas em isolamento, mas agora luta para se manter estável em relação à doença. 

 

No último boletim epidemiológico, divulgado na terça-feira (18), pela secretaria de Saúde do município, todas as 27 pessoas testadas positivas haviam se recuperado. Até o momento, não há indicação de novos exames para a COVID-19. Além disso, a cidade comemora também o fato de não ter nenhuma morte causada pelo novo coronavírus. Cidades vizinhas a Nova União, por exemplo, Jaboticatubas e Taquaraçu de Minas registram, respectivamente, nove e dois óbitos.  

 

Moradora de Nova União, Andreza Cristina dos Santos, de 25 anos, conta que pior que sentir os sintomas da doença é ter o psicológico abalado. Ela tem bronquite, é do grupo risco e foi a primeira a testar positivo em sua família, que, ao todo, teve oito casos confirmados. Por 12 dias ela sentiu tosse, cansaço respiratório, dor no corpo e na cabeça, irritação na garganta, perda de paladar e olfato. 

 

“Fiquei muito abalada e ansiosa. Não conseguia parar de pensar onde eu poderia ter me contaminado e se eu havia transmitido a alguém. Eu não consigo falar o que é pior, se são os sintomas, o medo de ficar em estado grave ou se é o fato de ficarmos distantes de quem amamos”, conta Andreza, que tem uma filha de 2 anos e 5 meses que, durante um período, ficou com a avó para que ela cumprisse a quarentena.

 

Hoje Andreza comemora: “Vemos tantas cidades com números altíssimos que é um privilégio estarmos sem casos dessa doença. Agora, as pessoas têm que continuar fazendo a sua parte e manter os cuidados de prevenção”, pontua a moradora que já voltou à vida normal, tem trabalhado de forma parcial, devido ao isolamento social, e encontra-se totalmente recuperada. 

 

Estragégia Saúde da Família

 

Para o procurador de Nova União, Lucas Soares Pinto Fernandes, um fator primordial para a contenção dos casos está sendo a atuação da equipe de ponta do Estratégia Saúde da Família (ESF). “Ao identificar um caso suspeito, eles isolam e fazem o acompanhamento de forma rigorosa", disse.

"Na entrevista, são pesquisados todos os outros indivíduos que tiveram contato com o doente, que também são procurados pela equipe de saúde e de quem é exigida a quarentena de 10 dias, mesmo estando assintomáticos. Isso está sendo determinante para conter a transmissão comunitária”, concluiu Fernandes. 

 

 

 

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade