Publicidade

Estado de Minas FLEXIBILIZAÇÃO

Chuva afasta pessoas da rua em Governador Valadares no primeiro dia de Onda Vermelha

A feira livre da Vila Isa, bairro da periferia da cidade, registrou número menor de pessoas em relação aos sábados ensolarados, mas os supermercados apresentaram grandes filas


08/08/2020 15:03

Aos sábados, a feira é um ponto de aglomeração, mas hoje poucas pessoas circularam entre as barracas montadas na Avenida Um.(foto: EM/D.A. Press)
Aos sábados, a feira é um ponto de aglomeração, mas hoje poucas pessoas circularam entre as barracas montadas na Avenida Um. (foto: EM/D.A. Press)
A chuva foi aliada de Governador Valadares na luta contra o novo coronavírus no primeiro dia do município na desconfortável onda vermelha do Minas Consciente. Muitos deixaram de ir à tradicional feira livre da Vila Isa, bairro cortado pela BR 116, do outro lado da ponte de São Raimundo.
 
Aos sábados, a feira é um ponto de aglomeração, mas hoje poucas pessoas circularam entre as barracas montadas na Avenida Um. Na área central da cidade, as lojas amanheceram fechadas e com pouco movimento nas ruas. Mas os supermercados tiveram longas filas, movimento maior que em outros fins de semana, por causa do Dia dos Pais.
 
O desconforto causado por estar na onda vermelha não é maior que o de liderar o número de casos confirmados de COVID-19 e também de óbitos pela doença, entre todas as cidades do Leste de Minas. O boletim epidemiológico de sexta-feira (7) registrou 4.760 casos confirmados, 162 óbitos também confirmados e 29 óbitos sob investigação. Em relação ao boletim de 7 de julho, os números de ontem representam um aumento de 110% no número de óbitos e 170% no número de casos confirmados.
 
O desafio é baixar esses números e sair logo da onda vermelha. Mas a missão é árdua e os dados de julho, apontados no boletim epidemiológico detalhado, elaborado pelo Departamento de Vigilância em Saúde, da Secretaria Municipal de Saúde de Governador Valadares, com apoio da Universidade Federal de Juiz de Fora – Campus Governador Valadares, são preocupantes. 
 
Neste boletim, os casos confirmados de COVID-19 por área de atuação profissional, registram um alto percentual de “ignorado” para essa informação (53,3%, n=1993). Dos que informaram a área de atuação (n=1737), a “Saúde” foi a principal área afetada (n=479). O comércio e a área de prestação de serviço se destacaram com o aumento do número de indivíduos infectados, demonstrando vulnerabilidade destes grupos diante da dificuldade do cumprimento do distanciamento social recomendado.
 
As áreas de serviços administrativos e segurança, segundo o boletim de julho, concluído no dia 30, também apresentaram aumento progressivo de indivíduos infectados. Para diminuir o número de infectados, os técnicos indicam como medidas de prevenção e controle, o uso de máscaras, lavagem adequada das mãos e utilização do álcool em gel 70% para os trabalhadores desta categoria. Os técnicos da Vigilância em Saúde consideram importante o cuidado com o ambiente de trabalho, que deve estar sempre limpo, arejado e sem aglomeração de pessoas. 
 
Na análise dos técnicos da Vigilância em Saúde e da UFJF, os óbitos por COVID-19 ocorreram em 54,4% de indivíduos do sexo masculino e 45,6% em indivíduos do sexo feminino. Quando avaliados por faixa etária, 79,4% dos óbitos ocorreram em idosos (idade igual ou maior que 60 anos). “Chama a atenção a ocorrência de dois óbitos na faixa etária de 20 a 29 anos, sendo observado apenas um paciente com comorbidades (dados não mostrados).
 
Além disso, na faixa etária de 40 a 49 anos, 10 indivíduos evoluíram a óbito, dos quais 9 apresentavam condições clínicas pré-existentes favoráveis ao agravamento da doença (dados não mostrados)”, destaca o boletim, que também aponta um número preocupante de casos confirmados de COVID-19 entre os aposentados e pensionistas (n=143), o que sinaliza a necessidade de mudança na abordagem relacionada a importância das medidas de distanciamento social para esse grupo.
 
Reforçar a fiscalização sobre o descumprimento dos protocolos para distanciamento social é uma necessidade urgente para baixar os números de casos e mortes por COVID-19, mas a Prefeitura afirma que não tem pessoal suficiente para fiscalizar. O prefeito André Merlo (PSDB) disse que o município não tem recursos para contratar pessoal de fiscalização, como sugerem as pessoas que opinam nas redes sociais da Prefeitura, sempre que os boletins epidemiológicos diários são postados. Mesmo com poucos fiscais, a fiscalização aumentou nos últimos dias, desde a adesão do município ao Minas Consciente. A Prefeitura também disponibilizou um número para denúncias de descumprimento do isolamento e distanciamento social: (33) 9 9997-3174.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade