Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Julgamento

Tragédia de Mariana: projeções na Torre de Londres pedem justiça

Ativistas protestaram com frases de impacto, a partir da Ponte Lambeth, sobre o Rio Tâmisa. Julgamento internacional ocorre esta semana


19/07/2020 07:57 - atualizado 19/07/2020 09:33

(foto: Mateus Parreiras/EM/D.A Press)
(foto: Mateus Parreiras/EM/D.A Press)

Ativistas brasileiros e britânicos fizeram na noite de sábado (18) projeções sobre edificações londrinas, como a Torre de Londres, para chamar a atenção para a tragédia de Mariana.

(foto: Mateus Parreiras/EM/D.A Press)
(foto: Mateus Parreiras/EM/D.A Press)


Nesta quarta-feira, o rompimento da Barragem do Fundão será julgado em uma corte de Manchester e pode ser que os mais de 200 mil atingidos representados consigam justiça no Reino Unido antes de no Brasil. Foram projetadas frases de impacto, a partir da Ponte Lambeth, sobre o Rio Tâmisa.

Em uma delas, ativistas fizeram alusão ao tradicional prato da culinária inglesa, o peixe com batatas. A provocação projetava as opções: fish,  chips ou arsenic, em referência à contaminação do Rio Doce por metais pesados, que suspendeu a pesca até hoje.



Protesto internacional
O edifício onde funcionam escritórios da BHP Billington, em Washington, também recebeu projeções de protesto. As manifestações ocorreram em outras cidades, também no Brasil: prédios em Belo Horizonte e em Manaus também serviram de tela para o protesto.

#JusticeForMariana: projeções no prédio da mineradora, em Washington(foto: Reprodução)
#JusticeForMariana: projeções no prédio da mineradora, em Washington (foto: Reprodução)


Histórico
A Barragem do Fundão se rompeu em 5 de novembro de 2015. Morreram 19 pessoas e 700 mil foram atingidas em toda bacia hidrográfica do Rio Doce, de Minas Gerais ao mar no Espírito Santo. A reportagem do Estado de Minas acompanha o julgamento que tem várias restrições devido à COVID-19.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade