Publicidade

Estado de Minas CORONAVÍRUS

Trabalhadores contaminados fazem explodir casos de COVID-19 em Mariana

Em apenas 13 dias, município viu número de casos mais do que quadruplicar. Origem de explosão de casos pode estar nas obras de reparação dos danos causados pela tragédia ambiental de 2015


28/05/2020 21:06 - atualizado 29/05/2020 13:42

(foto: Wikipedia/Divulgação )
(foto: Wikipedia/Divulgação )

A histórica cidade de Mariana, na Região Central de Minas Gerais, viu o número de casos de COVID-19 disparar nas últimas duas semanas. Do dia 15 para esta quinta-feira (28), os moradores do município viram os diagnósticos positivos para o novo coronavírus saltarem de 37 para 167, um aumento equivalente 351% em apenas 13 dias. Além disso, nesse período, o número de mortes passou de três para sete. 

De acordo com a prefeitura, o aumento se deve à obrigatoriedade da realização de testes para que as mineradoras possam voltar a operar no município. Conforme o boletim divulgado diariamente pela administração municipal, 99 dos 167 casos foram feitos pelo setor privado.

No entanto, denúncias recebidas pelo Comitê Gestor da COVID-19 no último dia 20 apontam que havia pessoas contaminadas com o vírus trabalhando nas obras de reparação referentes à tragédia ambiental ocorrida em 2015 em Bento Rodrigues e Paracatu de Baixo.

Um dia depois (21), a prefeitura confirmou que dois funcionários terceirizados da Fundação Renova tinham apresentado resultado positivo para o coronavírus. Diante do fato, a administração municipal decidiu paralisar as obras dos reassentamentos de Bento Rodrigues e Paracatu de Baixo até o dia 31 de maio.

No entanto, o tempo para a tomada de decisão pode não ter sido suficiente. Isso porque, no dia 21, quando a prefeitura anunciou os dois casos de coronavírus entre os funcionários terceirizados, eram registrados 51 diagnósticos positivos para a doença e três mortes. De lá para cá, a cidade contabilizou mais 116 casos e quatro mortes. 

A Fundação Renova é uma organização criada pela mineradora Samarco e suas controladoras, Vale e BHP Billiton, para atuar na reparação dos danos causados pela tragédia ambiental de 2015.  

Questionada pelo Estado de Minas, a Fundação Renova declarou que fará a testagem de 100% dos colaboradores que trabalham nas obras de Mariana  e que a medida foi iniciada no último sábado (23). A organização ainda afirmou que está seguindo todas as obrigações do Plano Estratégico de Retomada Gradativa e Segura das Atividades Econômicas do município.

Mais testes


A tendência é que o número aumente ainda mais, já que, nesta quinta, o prefeito da cidade, Duarte Júnior (Cidadania), anunciou que o município realizará testes para a doença nos funcionários das empresas que tiveram a volta das atividades aprovadas pelo Comitê Gestor do COVID-19. 

O grupo já liberou 160 planos de empresas que poderão voltar ao funcionamento. Segundo o prefeito, o município começará a testagem para COVID-19 na próxima segunda-feira (1).

A testagem é considerada pelo gestor municipal como uma maneira de mapear os casos de COVID-19 em Mariana e, assim, isolar os eventuais pacientes contaminados que estejam trabalhando. Em vídeo gravado nesta terça, Duarte defendeu a abertura de parte do comércio: “Entendemos que dessa forma vamos valorizar o comércio local e trazer segurança aos funcionários dessas empresas”, disse.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade