Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Ocupação dos leitos volta a subir e afasta flexibilização do comércio em BH

Taxa de uso das unidades de enfermaria para a COVID-19 alcançou seu nível mais alto desde o início da pandemia e chegou à zona vermelha


postado em 02/07/2020 18:14 / atualizado em 02/07/2020 18:33

 

Nesta sexta-feira (3), em coletiva de imprensa, a Prefeitura de Belo Horizonte vai decidir se mantém, flexibiliza ou restringe ainda mais a atividade comercial na capital mineira. Principais parâmetros para a definição, as taxas de ocupação dos leitos de UTI e de enfermaria para pacientes com COVID-19, contudo, voltaram a subir.

 

No caso das enfermarias, a taxa nunca foi tão alta desde o início da pandemia: 73%, com base em apuração feita pela PBH nessa quarta-feira (1º). Com isso, Belo Horizonte voltou para a chamada zona vermelha neste quesito, já que ultrapassou a marca dos 70%.

 

No comparativo com o levantamento anterior, houve crescimento de quatro pontos percentuais.

 

E o aumento aconteceu em um cenário de ampliação da oferta de leitos clínicos de terça para quarta: as vagas de enfermaria para infectados pelo novo coronavírus subiram de 798 para 842.

 

Ocupação dos leitos voltou a subir em BH, tanto os de terapia intensiva quanto os de enfermaria(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
Ocupação dos leitos voltou a subir em BH, tanto os de terapia intensiva quanto os de enfermaria (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
 

 

Com isso, na situação atual, Belo Horizonte tem ocupados 615 dos 842 leitos clínicos, aqueles voltados a pacientes com síndrome gripal – quadros clínicos menos graves da COVID-19. Restam 227 enfermarias.

 

Se as enfermarias voltaram ao vermelho, as unidades de terapia intensiva permanecem em estado crítico há quase um mês: desde 9 de junho, a Saúde municipal só computa taxas de ocupação além dos 70% nas UTI’s para COVID-19.

 

Quanto ao balanço mais recente, BH registra ocupação de 87%.

 

Os números, assim como no caso das enfermarias, foram apurados na quarta. São dois pontos percentuais a mais que no levantamento anterior.

 

São 331 vagas de terapia intensiva na cidade. Elas abrigam, no boletim mais recente, 288 pacientes com síndrome respiratória aguda grave, o quadro clínico mais complicado da virose. Restam 43 leitos do tipo em BH.

 

Quadro geral

 

 

O boletim epidemiológico da prefeitura também traz a situação da ocupação dos leitos de UTI e de enfermaria gerais da saúde pública de BH. Nessa conta, também se considera as unidades destinadas a outras doenças, não só à COVID-19.

 

Neste cenário, a ocupação nas UTI's é de 88%. Das enfermarias 69%. Na comparação com a pesquisa anterior, houve variação de um ponto percentual para mais na terapia intensiva. Não houve alteração nos leitos clínicos.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade