Publicidade

Estado de Minas SOLIDARIEDADE

TJMG doa 161 sacos de dormir para quem vive nas ruas de Belo Horizonte

Iniciativa integra campanha do Núcleo de Voluntariado neste inverno


postado em 23/06/2020 10:24 / atualizado em 23/06/2020 10:50

(foto: Foto: TJMG / Divulgação)
(foto: Foto: TJMG / Divulgação)

Em um esforço para poder levar algum alento para as pessoas em situação de rua, o Núcleo de Voluntariado do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) se mobilizou em uma campanha para aquecer o inverno dessa população em Belo Horizonte, por meio da doação de recursos para a compra de cobertores e sacos de dormir. A campanha arrecadou mais de R$ 7 mil para a compra de cobertores e sacos de dormir.

As doações foram depositadas na conta da Associação Pastoral do Povo da Rua. Tendo em vista apenas os valores que foram depositados e tiveram comprovantes enviados para o Núcleo de Voluntariado, a campanha no Judiciário mineiro conseguiu arrecadar um total de R$ 7.390. Desse montante, R$ 1 mil foi doado pelo Núcleo de Assistência Servidor Solidário do TJMG.

Em uma primeira etapa, foram adquiridos com os recursos 160 cobertores, entregues à Pastoral de Rua, em 28 de maio. Em uma segunda etapa, encerrada nesta segunda-feira (22/6), foi possível a compra de 161 sacos de dormir — item que a Pastoral de Rua avaliou que seria menos perecível e poderia trazer mais conforto para os beneficiados.

"Um ato de solidariedade é bom para quem o pratica, é bom para o outro e é bom para o mundo" destacou a coordenadora do Núcleo de Voluntariado do TJMG, desembargadora Maria Luíza de Marilac.

"Como coordenadora do Núcleo de Voluntariado do TJMG e como cidadã, meu coração transborda de alegria com ações como esta, de doação de cobertores e sacos de dormir, que visam diminuir um pouco o sofrimento daqueles que vivem em situação de rua", declara Maria Luíza.

A desembargadora observa que a preocupação do Núcleo de Voluntariado com a população que vive em situação de rua sempre foi grande, mas aumentou ainda mais, diante do isolamento social decorrente da pandemia provocada pelo novo coronavírus.

"É muito difícil assistir a um ser humano, já fragilizado pela vida, ser açodado pelo frio das noites de inverno, ver depauperada sua saúde ainda mais, enquanto a pandemia da COVID-19 bate à sua porta, como se porta ele tivesse para se proteger", ressalta.

Por isso, para a desembargadora, a campanha de cobertores e sacos de dormir não é apenas uma maneira de amenizar o sofrimento causado pelo tempo, "mas também uma forma de acalentar o sofrimento pelo desamparo humano, pela falta de acolhimento e pela solidão."

Na avaliação da desembargadora, embora essa ajuda possa parecer pequena, "o fato de tantos magistrados e servidores terem se mobilizado para tão grave e triste realidade pode ser considerado um importante passo para a discussão desse fenômeno humano e global das pessoas em situação de rua, no TJMG."

Além de, em nome do Núcleo de Voluntariado, agradecer a todos aqueles que contribuíram para a campanha, a desembargadora destaca que a importância da doação não se limita aos impactos gerados com os projetos e as causas sociais. "Abrange também mudanças que ocorrem para a própria pessoa que a pratica. Um ato de solidariedade é bom para quem o pratica, é bom para o outro e é bom para o mundo", conclui.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade