Publicidade

Estado de Minas SOLIDARIEDADE

Comunidades circenses, indígenas e quilombolas receberão doação de máscaras

Ação será coordenada pelas unidades Cristiano Machado e Linha Verde da Una; também será destacada a importância do isolamento para conter o coronavírus


postado em 03/06/2020 13:17 / atualizado em 03/06/2020 15:46

Além da distribuição das máscaras, haverá orientação sobre a COVID-19. Ação vai ocorrer nesta quinta-feira (4)(foto: Reprodução/ Internet)
Além da distribuição das máscaras, haverá orientação sobre a COVID-19. Ação vai ocorrer nesta quinta-feira (4) (foto: Reprodução/ Internet)
As unidades da Una Cristiano Machado e Linha Verde, da Ânima Educação, vão coordenar uma ação de conscientização sobre a pandemia do novo coronavírus e doação de máscaras em comunidades indicadas pelo Conselho Estadual de Promoção da Igualdade Racial (CONEPIR), nesta quinta-feira (4), a partir das 11h. O principal objetivo é ajudar a proteger as famílias que vivem em locais com poucos recursos de combate à COVID-19, como trupes circenses, povos quilombolas e indígenas, residentes em Belo Horizonte e Região Metropolitana

De acordo com os organizadores da iniciativa solidária, serão doadas cerca de 1 mil máscaras de proteção. Os colaboradores voluntários, que atuam nos cursos de saúde da Una, foram treinados para instruir sobre a necessidade de higienização das mãos, a relevância do isolamento social, mesmo nas comunidades, e o uso correto dos Equipamentos de Proteção Individuais (EPIs).

Para o diretor das unidades de ensino da Una, Bruno Antunes Soares, esse tipo de trabalho voluntário na luta contra a disseminação do novo coronavírus reforça a importância de se informar toda a população sobre os perigos da doença causada pelo vírus. 

"Sempre fortalecemos as ações sociais nos diversos conteúdos trabalhados com os alunos e no dia a dia com os colaboradores. O ensino não pode ser apenas teórico, precisa se materializar com a prática e com o nosso exemplo", ressaltou.

Decreto Municipal 

O uso de máscaras em Belo Horizonte passou a ser obrigatório desde a publicação do Decreto 17.332/2020, de 16 de abril, no Diário Oficial do Município (DOM), pelo prefeito Alexandre Kalil (PSD). Na norma, fica estabelecido o uso obrigatório do equipamento de proteção em todos os espaços públicos, transportes públicos coletivos e estabelecimentos comerciais, industriais e de serviços na capital mineira.
 
*Estagiário sob supervisão da subeditora Kelen Cristina

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade