Publicidade

Estado de Minas ANTIRRACISMO ANTIFACISMO

Praça Sete: BH tem manifestação pela democracia e contra o racismo

Evocando palavras de ordem, ato antifascista e antirracista pediu o fortalecimento da democracia e o fim do racismo estrutural


postado em 01/06/2020 18:15 / atualizado em 01/06/2020 21:21

(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A press)
(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A press)
Inspirados pelas manifestações que estão acontecendo em diversos países após a morte de George Floyd, homem preto asfixiado por um policial branco nos Estados Unidos, manifestantes ocuparam a Praça Sete, em Belo Horizonte, nesta segunda-feira (1). Evocando palavras de ordem, o movimento antifascista e antirracista clama pelo reforço da democracia e pelo fim do racismo estrutural. 
 
Ver galeria . 8 Fotos  Juarez Rodrigues/EM/D.A press
(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A press )
 

A manifestação foi convocada prioritariamente por artistas da capital, que inicialmente tinham a ideia de organizar um fórum de discussão da cena cultural belo-horizontina. Apesar disso, após convocações nas redes sociais, o ato tomou proporção maior e chamou a atenção de várias pessoas. 
 
Por conta da pandemia do novo coronavírus, os manifestantes usavam máscaras e eram orientados a manter distanciamento mínimo.
 
Os músicos Djonga, Hot e Oreia e Marcelo Tofani participaram do ato na Praça Sete(foto: Reprodução/Instagram)
Os músicos Djonga, Hot e Oreia e Marcelo Tofani participaram do ato na Praça Sete (foto: Reprodução/Instagram)
 
 
O rapper Djonga, um dos nomes mais influentes no rap brasileiro na atualidade, esteve na manifestação. Pelo Instagram, o cantor convocou seus seguidores. “Eu tô aqui. Cada um faz suas escolhas. Quem é de vir, vem”, compartilhou nos stories. O mineiro é famoso pelas fortes críticas sociais nas letras de suas composições. Entre elas, a maior pauta: o racismo estrutural na sociedade.

Os músicos Hot e Oreia também compartilharam imagens na manifestação. “Aí, BH, estamos na Praça Sete. Venham aqui para trocar uma ideia. Vamos organizar. Cadê vocês BH? Estamos esperando”, afirmou o rapper Oreia. 

Marcelo Tofani, músico da banda Rosa Neon, também esteve na Praça Sete. Pelo Instagram, o músico compartilhou palavras de ordem contra o presidente da república, Jair Bolsonaro (sem partido).

Na tarde do último domingo (31),  torcedores de clubes rivais, como Corinthians, Palmeiras, Santos e São Paulo, se reuniram na Avenida Paulista, em um protesto com gritos pela “Democracia”. Os organizadores afirmaram que o protesto era antifascista e pró-democracia. O movimento chamou a atenção nas redes sociais após confronto com a polícia. Diversas imagens em apoio a causa foram compartilhadas.


Antifascismo


Nesta segunda-feira, as redes sociais foram invadidas por diversas postagens a favor do movimento antifascista. Anônimos e famosos se uniram no posicionamento contra o fascismo. As imagens compartilhadas variam de acordo com a identificação pessoal de cada internauta. Todas, no entanto, seguem o modelo do símbolo ativista  "Antifa", grupo que surgiu na Alemanha, nos anos 1930.
 
(foto: Reprodução/Redes Sociais)
(foto: Reprodução/Redes Sociais)

O movimento “Antifa” é uma organização de grupos de esquerda, que tem como principal característica fazer oposição ao fascismo por quaisquer meios necessários. O seu foco declarado é lutar contra a extrema-direita e contra movimentos racistas, xenófobos e supremacistas brancos diretamente.

George Floyd

A morte de um homem negro em Minneapolis, nos Estados Unidos, causou uma onda de indignação depois da divulgação das imagens, onde é possível ver um policial branco ajoelhado sobre o pescoço do detido. George Floyd foi morto asfixiado pelo peso do policial sobre ele.

Nas imagens feitas na última segunda-feira (25), o homem, de 40 anos, reclama diversas vezes: “não consigo respirar”.

Tomados pelo sentimento de justiça, milhares de americanos saíram nas ruas para se manifestar contra o abuso da polícia e o racismo estrutural. Esta segunda-feira completa uma semana de manifestações em vários países. 
 
*Estagiária sob supervisão da editora Liliane Corrêa

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade