Publicidade

Estado de Minas Inovação

Primeiro equipamento portátil para desinfecção de máscaras contra COVID-19 é validado na Unicamp

Hospitais, unidades de saúde e empresas serão beneficiados com invento acessível para reusar máscaras e EPIs


25/04/2020 13:53 - atualizado 25/04/2020 13:53

(foto: Fernando Zhiminaicela/Pixabay )
(foto: Fernando Zhiminaicela/Pixabay )


Um dos maiores gargalos e desafios que hospitais e outras unidades de saúde, além de empresas de diversos segmentos, têm passado no enfrentamento da pandemia do novo coronavírus está relacionado à desinfecção dos chamados equipamento de proteção individuais (EPIs), como máscaras, luvas, além instrumentos cirúrgicos etc.

Porém, essa situação irá mudar ainda neste mês de abril, já que de modo inédito um renomado centro de pesquisa atestou e indicou um novo aparelho em condições reais e imediatas de uso com eficiência para desinfecção de vírus da família coronavírus.

Com testes iniciados há pouco mais de três semanas, Universidade Estadual de Campinas, a Unicamp, atestou por meio de laudo liberado no dia 23 de abril, que um aparelho que utiliza o gás ozônio, desenvolvido por uma empresa de Piracicaba (SP), é indicado para inativar os coronavírus de EPIs como máscaras.

É o primeiro laudo do gênero no Brasil emitido tendo incluídos vírus da família coronavírus nos testes.

Para utilizar o aparelho não há necessidade de qualquer pré-disposição para instalação, a não ser uma tomada elétrica.

A máquina pode fazer até 20 ciclos por dia, cada um com duração de uma hora, totalizando 1 mil unidades de máscaras em condições de reuso após o processo de limpeza.

Depois desse período, os EPIs podem ser reutilizados, conferindo segurança aos usuários e permitindo reduzir a dependência de insumos, cada vez mais raros no mercado e com custos altos por conta da pandemia, além da diminuição de lixo hospitalar gerado, um problema que vem se agravando com a crise.

"Durante os testes na Unicamp, usamos um ciclo de 45 minutos para desinfecção viral por meio do ozônio", explica o empresário e inventor Carlos Heise, da Panozon Ambiental, empresa do interior paulista responsável pela produção dos novos aparelhos e cuja capacidade atual é fabricar 2 mil máquinas por mês.

Os testes foram conduzidos pela profª drª Clarice Weis Arns, que assina o laudo e está ligada ao Laboratório de Virologia do Departamento de Genética, Evolução e Bioagentes do Instituto de Biologia da Unicamp.

A conclusão do laudo diz: "Considerando que houve inibição da infecção viral na máscara, pode-se concluir que a mistura do gás ozônio gerado a 45 minutos de exposição mais tecido da máscara foi eficaz para a inativação de partículas virais do coronavírus e, portanto, recomendamos o uso como potencial agente desinfectante para as máscaras testadas".

Carlos Heise relata que a prioridade é atender pedidos da área de saúde, a chamada linha de frente no combate à pandemia. Segundo ele, como a tecnologia é 100% nacional, no caso de necessidade de aumento de produção, a linha de produção da empresa pode ser ampliada.

O gás ozônio é conhecido há décadas como um poderoso desinfectante para vírus, bactérias e fungos. "Vírus encapsulados como o H1N1 e os da família coronavírus não resistem à ação do ozônio, que destrói a camada lipídica protetora desses tipos de organismos. O desafio era testar com o coronavirus, que é o grande problema mundial atualmente e, felizmente, o aparelho foi efetivo na eliminação das ameaças", comemora Carlos Heise.

O desenvolvimento do aparelho foi rápido, conta o empresário paulista: "Já temos quase 20 anos de experiência do segmento, com dezenas de aplicações e aparelhos para tratamento de água e ar com ozônio. Como já temos um aparelho para desinfecção de ar ambiente optamos por adaptá-lo com o início desta crise mundial para esta nova função. Ele trabalha com desinfecção a seco e com temperatura ambiente, permitindo que o gás do ozônio penetre em todos os pontos dos EPIs, inclusive nos poros dos tecidos das máscaras. Este é um diferencial do aparelho em relação aos que se valem de luz ou líquidos para a mesma finalidade", detalha o inventor, que é engenheiro eletrônico formado pela própria Unicamp.

Carlos Heise informa ainda que qualquer material que não seja oxidável (exemplos: objetos plásticos, de vidro, de aço inoxidável, máscaras, ferramentas, panos e canetas entre outros) poderá ser esterilizado na máquina, reforçando a facilidade de uso: "Basta ligar o aparelho na tomada e colocá-lo num lugar firme e seguro como uma mesa ou estante. A partir daí o uso é imediato. O consumo de energia é baixo, uma vez que a potência da máquina é de apenas 70W. O gás O3, o ozônio, é gerado a partir do próprio oxigênio, o O2 do ambiente, não sendo necessário qualquer outro insumo adicional", explica Carlos Heise.

Outra inovação do aparelho desenvolvido em Piracicaba e com recomendação da Unicamp para eliminar coronavírus é que ele tem sensor de falha para garantir que o ozônio gerado é suficiente para cumprir seu objetivo.

Carlos Heise enfatiza a importância desse diferencial para a segurança dos usuários com uma pergunta: "Como garantir que os EPIs e outros objetos vão sair totalmente esterilizados uma vez que não enxergamos os vírus e não sabemos quanto tem de ozônio dentro da câmara durante a aplicação?"

CABINE DE DESINFECÇÃO POR OZÔNIO


No último dia 23 de abril, a Prefeitura de Piracicaba instalou na base local do Samu um equipamento doado pela Panozon Ambiental S/A, que também utiliza ozônio para desinfecção por meio de pulverização de água numa estrutura de cabine. Este aparelho é projetado para locais de grande circulação, como entradas de edifícios, fábricas e supermercados.

"Esse equipamento inclui o gerador de ozônio e a estrutura da cabine. Você também pode utilizá-lo junto com seu sistema de pulverização de água, garantindo maior segurança para todos. Após a instalação do equipamento no reservatório de água, o equipamento produz ozônio suficiente para manter um residual do gás dissolvido na água. Após o acionamento da bomba, haverá a aspersão do ozônio dissolvido na água em forma de gotículas", destaca Carlos Heise.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade