Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Após estado convocar volta ao trabalho, Sind-UTE propõe greve na educação

Governo apontou área educacional como essencial e determinou retorno de 50 mil nesta terça. Parte faria atividade remota


postado em 13/04/2020 17:24 / atualizado em 13/04/2020 21:39

 

Na foto, o colégio Instituto da Educação (foto: IEPHA Minas Gera)
Na foto, o colégio Instituto da Educação (foto: IEPHA Minas Gera)
O Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG) anunciou greve dos servidores da educação. A informação foi confirmada na tarde desta segunda-feira (13) como reação à determinação do governo do estado para que o setor volte ao trabalho nesta terça-feira. A estimativa do Sind-UTE é de que a medida afetaria cerca de 50 mil trabalhadores da área.

 

Servidores da educação, de acordo com a administração estadual, deveriam se juntar aos da saúde e da segurança pública ao serem tratados como essenciais enquanto vigorar o estado de calamidade pública em Minas. Assim, a convocação é para que todos voltem ao trabalho, sendo que a maior parte, conforme o estado, poderá fazê-lo de forma remota, a fim de evitar a propagação do novo coronavírus. Não há prazo para a volta das aulas.


Em deliberação assinada na quarta-feira, o secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo Amaral Pereira da Silva, que é também presidente do Comitê Extraordinário COVID-19, estabelece o retorno ao trabalho de diretores e secretários de escolas; vice-diretores e coordenadores; assistentes técnico de educação básica, sejam efetivos ou designados; auxiliares de serviços de educação básica; e analistas educacionais, efetivos ou designados, os chamados inspetores escolares.

 

"Diante da decisão do governo do estado em retomar atividades escolares a partir desta terça-feira, em plena pandemia de coronavírus, a coordenação-geral do Sind-UTE/MG faz uma convocação a toda a categoria para o retorno da greve na referida data. A direção do sindicato reforça que a medida se faz necessária para que as vidas de milhares de trabalhadores, estudantes e comunidade escolar sejam protegidas",  indicou o Sind-UTE por meio de nota. 


O outro lado 

A Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais (SEE/MG) informa que não recebeu nenhuma notificação do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (SindUte/MG) sobre convocação de greve da categoria com início nessa terça-feira.

 

"A pasta reafirma que realizou um estudo criterioso sobre a melhor estratégia para a retomada do trabalho dos profissionais administrativos das escolas estaduais, de forma a viabilizar o Regime de Estudo não Presencial que será ofertado aos estudantes da rede estadual de ensino. A SEE esclarece que todas as medidas estão sendo tomadas em consonância com a Secretaria de Estado de Saúde para proteger seus servidores e evitar a disseminação da Covid-19", informou por meio de nota.

 

Sendo assim, segundo o Governo de Minas, as atividades serão retomadas remotamente e de forma gradual. Primeiro, os gestores e suas equipes, por meio de teletrabalho vão conhecer as ferramentas do Regime de Estudo não Presencial, fazer o levantamento sobre qual a forma mais segura de comunicação com cada aluno para que eles possam dar continuidade no processo de aprendizagem de maneira segura, não presencial.

A SEE reforça que "os servidores que tiverem em casa os equipamentos necessários para exercer suas funções poderão fazer o teletrabalho. Já, aqueles que precisarem de equipamentos do Estado para trabalhar de casa, a Secretaria vai autorizar o empréstimo desse material." 

 

De acordo com a nota, os profissionais que não têm a possibilidade de exercer suas funções de forma remota terão seus horários de trabalho flexibilizados. Ficará a cargo do diretor organizar as escalas e condições de proteção dos servidores para o cumprimento das tarefas da maneira mais segura possível. As escolas possuem recurso disponibilizado pela Secretaria mensalmente para fins administrativos, por meio da caixa escolar, que pode ser utilizado pelos gestores para aquisição de materiais de limpeza e de proteção individual para os trabalhadores caso necessário. 

 

"Na próxima semana, voltam, também em teletrabalho, os professores e especialistas da educação básica. Nesse momento, eles terão acesso às ferramentas disponibilizadas pela SEE para o início do Regime de Estudo não Presencial voltado para os estudantes da rede pública estadual que está previsto para se iniciar no dia 4 de maio", acrescentou. 

Ministério Público apura

Nesse domingo, o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) encaminhou ofício ao Comitê Extraordinário COVID-19 e à Secretaria de Estado de Educação solicitando informações complementares à deliberação que determina o retorno ao trabalho de parte dos servidores da rede pública de educação nesta terça-feira. A medida foi tomada após o MPMG receber representação encaminhada por integrantes da Assembleia Legislativa e da Câmara dos Deputados apontando os riscos provocados pela deliberação.

Segundo a representação, estima-se que cerca de 50 mil servidores públicos seriam afetados pela deliberação e – apesar de a justificativa apresentada pelo estado referir-se à preferência pelo teletrabalho – grande parte desses servidores desempenharia suas atividades presencialmente como, por exemplo, auxiliares de serviços da educação básica convocados pela deliberação.

A representação alega, ainda, que outras categorias de servidores convocados que poderiam desempenhar suas atividades remotamente não possuem equipamentos, ferramentas ou acesso à internet para fazê-lo.

Jornada presencial

 

Portanto, o MPMG pede informações sobre o número de servidores públicos alcançados pela deliberação; o quantitativo de servidores que deverá cumprir sua jornada presencialmente; a realização de diagnóstico que indique o número de servidores que dispõem de estrutura doméstica para a realização do teletrabalho, assim como as medidas adotadas para organizar eventual empréstimo de equipamentos, garantindo equidade e transparência.

Também foi questionada pelo MPMG a distribuição de equipamentos de proteção individual aos trabalhadores em trabalho presencial, como álcool em gel e máscaras, e a necessidade de informar à população sobre os objetivos da deliberação, uma vez que existe apreensão social de que tal medida, conforme o MP, tenha sido adotada como preparação para o retorno das aulas presenciais durante o período de vigência da medida de isolamento social, o que colidiria com as recomendações das autoridade sanitárias nacionais e internacionais, em um cenário atual de ascendência do nível de contaminação no país nas próximas semanas.

Segundo o MPMG, apesar de competir ao gestor público a análise da necessidade da medida, "o momento requer cautela redobrada", especialmente enquanto perdurar a subida na curva de contaminação no país e vigorar a medida de isolamento social no estado.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade