Publicidade

Estado de Minas TEMPESTADE

Maior enchente da história de Ubá deixa mais de 400 pessoas desalojadas

Estação de tratamento foi afetada e moradores sofrem com falta de água; pane compromete higiene, em meio à pandemia de coronavírus


postado em 08/04/2020 15:18 / atualizado em 08/04/2020 20:51

Segundo a administração pública, choveu cerca de 128 milímetros em menos de duas horas(foto: Divulgação/ Prefeitura de Ubá)
Segundo a administração pública, choveu cerca de 128 milímetros em menos de duas horas (foto: Divulgação/ Prefeitura de Ubá)

Se não bastasse a pandemia de coronavírus que assusta toda a população, moradores da cidade de Ubá, na Região da Zona da Mata, têm de enfrentar um velho inimigo: as fortes chuvas. Entre a noite de terça-feira e a madrugada desta quarta (8), o município registrou a maior enchente de sua história, afetando 60 mil pessoas e deixando centenas desalojadas . De acordo com a administração pública, em duas horas choveu cerca de 128 milímetros – essa é terceira vez no ano que a cidade convive com esse problema.

O temporal fez o Ribeirão Ubá sair de sua calha, afetando diversas casas ao longo da Avenida Beira Rio, na região central da cidade. Os bairros Waldemar de Castro e Santa Edwiges também foram afetados. No primeiro, um imóvel chegou a desabar; o mesmo aconteceu com um outro impovel localizado no Bairro Triângulo.

De acordo com a prefeitura, 432 pessoas ficaram desalojadas e tiveram que ir para casas de parentes e amigos. Além disso, os bombeiros receberam 17 chamadas de socorro, principalmente de pessoas ilhadas. Não foram contabilizadas mortes.

A forte chuva fez com que o prefeito Edson Teixeira Filho se reunisse, ainda na madrugada, na sede do Corpo de Bombeiros, com os chefes da corporação e da Defesa Civil. Na reunião, foram discutidas as primeiras ações de resposta aos estragos.  

“Desta vez além da Ponte da Bandeira, a Ponte da Rodovia, perto da Polícia Rodoviária, também foi ultrapassada pelo rio. Isso quer dizer que o nível das águas nunca esteve tão alto como desta vez”, afirmou o prefeito em vídeo publicado na conta da prefeitura no Facebook, ainda na madrugada. 

Teixeira filho confirmou que o temporal afetou as duas estações de tratamento de água que abastece a cidade. “Economizem água porque uma das estações de tratamento ficou totalmente avariada por essas grande enchente que tivemos”, pediu o prefeito.  Segundo ele, a estabilização do serviço não deve ser finalizada nesta quarta-feira.

(foto: Divulgação/ Prefeitura de Ubá)
(foto: Divulgação/ Prefeitura de Ubá)


O pedido de economia de água vem justamente em meio à pandemia de coronavírus, quando as pessoas devem focar ainda mais em hábitos de higiene, o que, consequentemente, aumenta o consumo de água. 

A cidade de Ubá registra um caso confirmado de coronavírus e investiga 16. Há 73 casos sendo monitorados. e 34 já foram descartados. 

A pandemia também afetou o expediente de funcionários que fariam os trabalhos de limpeza da cidade, já que muitos se encontram no grupo de risco para a COVID-19.

A prefeitura orienta que as pessoas não saiam de suas casas. Às que saírem, que evitem passar pelas áreas afetadas pelas chuvas. Além disso, para cuidar das ações de limpeza e evitar aglomerações, a Avenida Beira Rio está com o tráfego de veículos bloqueado. O distrito de Miragaia também está sem acesso, devido à queda de uma ponte de concreto

“Nós também estamos vivendo num sistema de proteção contra o coronavírus que nos pegou no meio dessa batalha, mais uma guerra que a gente vai ter que enfrentar”, destacou o prefeito.


Perdas

Várias casas ficaram alagadas devido ao grande volume de água(foto: Reprodução/ Redes Sociais)
Várias casas ficaram alagadas devido ao grande volume de água (foto: Reprodução/ Redes Sociais)


Umas das casas bastante atingidas pela chuva é a da Comunidade das Religiosas do Sagrado Coração de Maria, localizada na Avenida Beira Rio. Por lá, todo o primeiro andar da estrutura foi afetado e a água atingiu altos níveis. 

“A cidade está tão triste, está quebrada e as pessoas estão inseguras. O céu começa a escurecer e  a gente já fica com o coração na mão. Eu moro em Ubá há menos de dois anos e essa já é a segunda vez que minha casa é invadida pela água”, conta a irmã Rosa de Lima.

Para ela, o fato de a casa ter dois andares pode ter evitado uma tragédia. “Felizmente, tem esse segundo andar, porque a maioria das irmãs é idosa e eu não sei o que faria se elas ficassem no primeiro andar”, ressalta.

Além disso, com a estação de tratamento afetada, as irmãs já estão sem água desde a manhã desta quarta-feira. Agora, as religiosas terão que se abastecer em um poço próximo ao colégio, localizado no terreno de trás da casa.

“A água acabou aqui. Deus proverá, mas não sabemos o que fazer. Nunca teve falta de água aqui, essa é a primeira vez”, conta.

Na região, vários estabelecimentos também foram afetados. Comerciantes contabilizam perdas expressivas de mercadorias. Em meio à pandemia, o prejuízo é ainda maior, já que há menor fluxo de pessoas nas ruas.

Doações A prefeitura está pedindo doações de água potável lacrada, alimentos não perecíveis, materiais de limpeza, botas de plástico, rodos, vassouras, luvas, baldes e pano de chão. O Ponto de Coleta é o Fórum Cultural, situado na Praça São Januário, e funcionará de 7h às 17h.


*Estagiário sob supervisão do subeditor Eduardo Murta


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade