Publicidade

Estado de Minas CORONAVÍRUS

BH terá esgotamento de leitos de UTI neste abril, projeta estudo

Pesquisa da UFMG e Ministério da Saúde apontam esgotamento nas próximas semanas. Cientistas defendem hospitais de campanha


postado em 06/04/2020 16:53 / atualizado em 06/04/2020 17:26


Pesquisadores da UFMG, da Escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard e da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) do Ministério da Saúde alertam que os serviços hospitalares brasileiros devem começar a sofrer escassez de leitos hospitalares, de leitos de UTI e de ventiladores já no início deste mês de abril por causa da pandemia de coronavírus.

Em estudo divulgado na última quarta-feira, os pesquisadores afirmam que a única forma de evitar o colapso do sistema de saúde brasileiro nas próximas semanas é construir hospitais de campanha com novos leitos e ventiladores, intensificar sem relativizações o isolamento social e aumentar radicalmente testes da população.

“Há uma pequena janela de oportunidade para se preparar. A resposta deve ser imediata e exigirá um esforço conjunto da sociedade”, anotam os especialistas.

Leitos em Belo Horizonte

De acordo com o estudo, Belo Horizonte e região metropolitana devem amargar o esgotamento de leitos hospitalares de 27 deste mês a 1º de maio, a depender da articulação entre as medidas paliativas implementadas.

A exaustão de ventiladores mecânicos está projetada para ocorrer de 18 a 28 deste mês. Já o esgotamento dos leitos de UTI de BH e macrorregião de saúde deve ocorrer do início deste mês até o próximo dia 13.

Outros estados

O estudo aponta que é provável que o momento da escassez varie geograficamente, dependendo do início dos casos e do ritmo de transmissão, da disponibilidade de recursos e das ações implementadas.

Enquanto Fortaleza, por exemplo, alcançou 100 casos em apenas oito dias após o primeiro infectado, em São Paulo foram necessários 18 dias para que se alcançasse o centésimo caso, ilustram os autores do estudo.

Algumas regiões, portanto, devem experimentar o esgotamento já na primeira quinzena, e outras, na segunda, no limite no início de maio, com variações também no ritmo de exaustão de leitos comuns, leitos em UTI e ventiladores mecânicos.

Linha de estudo

Para traçar diferentes cenários para a progressão do esgotamento de recursos, os cientistas articularam três grupos de variáveis (dois com duas variáveis cada e outro com três) que têm a capacidade de alterar paliativamente o cenário futuro.

Essas variáveis dizem respeito à “ocupação hospitalar” (a possibilidade de se reduzir em 50% a ocupação média do ano passado, causada por outras doenças, para então se alocar mais leitos, leitos de UTI e ventiladores para casos de COVID-19), à relação “serviços públicos x privados” (considerando, por exemplo, a possibilidade do deslocamento de hospitais privados para o controle temporário do estado) e à “demanda por leitos de UTI” (se essa demanda estará na faixa de 5% ou de 12% dos casos).

Articuladas, essas variáveis possibilitaram que os pesquisadores projetassem 12 cenários para cada cidade/macrorregião. 

“Como estamos em uma etapa inicial de contágio da população brasileira, ainda é precoce estimarmos uma taxa de internação em UTI para o Brasil. Assim, foram adotados os cenários já relatados na literatura para a China e Itália, com um percentual de casos internados em UTI de 5% e 12%, respectivamente”, explica Lucas Resende de Carvalho, pesquisador do Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional (Cedeplar) da Faculdade de Ciências Econômicas (Face) da UFMG, um dos autores do trabalho.

Contudo, o que o estudo mostra é que, mesmo combinadas, todas essas medidas paliativas são capazes de, no máximo, atrasar em cerca de uma semana o esgotamento generalizado de leitos, leitos de UTI e respiradores em todas essas macrorregiões, o que seguirá ocorrendo no decorrer de abril.

(Com informações da Universidade Federal de Minas Gerais)

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade