Publicidade

Estado de Minas

Chuvas deixam duas pessoas mortas em Luisburgo, Minas Gerais

Segundo a prefeitura local, os danos ficaram concentrados no distrito de Pedra Dourada, na zona rural da cidade. Três pessoas também foram soterradas


postado em 26/01/2020 17:46 / atualizado em 26/01/2020 21:38

 

(foto: Divulgação/Prefeitura de Luisburgo)
(foto: Divulgação/Prefeitura de Luisburgo)

 

Em novo boletim divulgado na noite deste domingo (26), a Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec) informou que o número de mortes pelas chuvas de quinta e sexta-feira em Minas Gerais pulou de 37 para 44. Outras 19 pessoas continuam desaparecidas, todas no interior do estado.


A maioria das mortes está concentrada na Grande BH: 13 em Belo Horizonte, seis em Betim, cinco em Ibirité e uma duas Contagem.


No interior, os óbitos estão concentrados em 10 municípios da Zona da Mata mineira: Alto Caparaó (três), Alto Jequitibá (três), Carangola, Divino, Luisburgo (duas), Manhuaçu, Pedra Bonita (duas), Santa Margarida, Tocantins e Simonésia (três).


Ainda de acordo com o balanço da Defesa Civil estadual, 17.241 pessoas estão fora de suas casas em Minas: 13.887 desalojadas (6.767 na Grande BH e 7.120 no interior) e 3.354 desabrigadas (850 na RMBH e 2.504 no interior).


Além disso, 12 pessoas ficaram feridas no estado – seis na Grande BH e outros seis no interior.


Em BH, cinco pessoas morreram em um deslizamento ocorrido no Bairro Jardim Alvorada, na Região Noroeste da cidade. No Barreiro, sete perderam a vida em outro escorregamento de barranco, desta vez na Vila Bernadete. Outro óbito foi registrado no Granja de Freitas, Leste da cidade, onde um homem foi levado pela correnteza.


E o número de mortes deve aumentar. Em Alto Caparaó, por exemplo, a prefeitura local confirmou ao Estado de Minas que cinco pessoas morreram, duas a mais que o informado pelo boletim da Defesa Civil estadual.

 

Ver galeria . 11 Fotos Quatro vidas foram perdidas na cidade, inclusive a de um bebê que estava prestes a nascer. Criança ainda está desaparecidaReprodução/WhatsApp
Quatro vidas foram perdidas na cidade, inclusive a de um bebê que estava prestes a nascer. Criança ainda está desaparecida (foto: Reprodução/WhatsApp )
 


Um casal e seu filho perdeu a vida na zona rural da cidade, no distrito conhecido como Córrego do Bragunça, onde lavouras de café deslizaram sobre as casas. No mesmo local, um homem morreu. Ainda em Alto Caparaó, uma mãe que estava prestes a dar a luz viu seu filho morrer por não receber amparo médico, uma vez que a cidade estava isolada pelas enchentes.


“As questões de maior problemática foram nas terras altas, onde estão as propriedades de café. Simplesmente, essas lavouras desabaram. O pior cenário foi num distrito, a comunidade rural chamada de Córrego do Bragunça. Lá, a gente teve alguns soterramentos. As mortes foram confirmadas lá”, contou o secretário de Turismo da cidade, Rafael Santana.


Duas crianças e uma idosa morreram em Alto Jequitibá, também na Zona da Mata. Segundo a prefeitura local, uma terceira criança, irmã das duas que morreram, ainda está internada em estado gravíssimo. Ela foi resgatada pelo pai e está hospitalizada em Manhuaçu, na mesma região do estado. 


Já em Luisburgo duas pessoas morreram. Em comunicado, a prefeitura de Luisburgo informou que os danos ficaram concentrados na comunidade rural de Pedra Dourada, localizada na zona rural do município. Outras três pessoas ficaram soterradas na cidade, mas não há informações sobre o estado de saúde delas.


 


Publicidade