Publicidade

Estado de Minas

Chuva em BH: autoridades traçam plano de ação e pedem tranquilidade

Defesa Civil diz que situação ainda está em análise. Coordenadores da capital e Grande BH devem conceder entrevista coletiva ainda hoje. Meteorologista diz que ainda é cedo para afirmar que volume próximo de 100 milímetros deve cair somente na sexta


postado em 22/01/2020 12:21 / atualizado em 22/01/2020 12:38

No último domingo, Ribeirão Arrudas transbordou e destruiu parte da Avenida Tereza Cristina(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 19/01/2020)
No último domingo, Ribeirão Arrudas transbordou e destruiu parte da Avenida Tereza Cristina (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 19/01/2020)


A possibilidade de chuvas intensas e com grande volume no fim de semana tem alarmado a população de Belo Horizonte e da região metropolitana nos últimos dias, mas tanto a Defesa Civil quanto o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) alertam que se trata de uma previsão e que não há motivo para pânico. Autoridades estão reunidas nesta quarta-feira para discutir um plano de ação metropolitano e devem falar sobre o cenário até o fim do dia, inclusive com a presença de um meteorologista. 

O coordenador-adjunto da Defesa Civil de Minas Gerais, tenente-coronel Flávio Godinho, informou que eles ainda estão levantando informações sobre a possibilidade de chuvas na sexta-feira e mantendo a orientação de sempre em caso de precipitações: evitar locais que podem ter enxurradas, alagamentos e inundações, além das áreas de risco de deslizamento de terra. Nesta tarde, ele se encontra com todos os Coordenadores Municipais de Defesa Civil da Região Metropolitana de Belo Horizonte para discutir o plano de enfrentamento ao período chuvoso. Haverá uma entrevista coletiva por volta das 16h. 

Segundo o Inmet, o volume de chuva pode aumentar em escalada durante esta semana. Os modelos pluviométricos indicam que pode chover próximo de 100 milímetros na sexta-feira. “Mas é uma previsão e não precisãoPor isso que medimos diariamente e ainda pode ser cedo para afirmar que o volume de chuva será distribuído todo na sexta-feira”, explicou, ao Estado de Minas, o meteorologista Cléber Souza, em entrevista ontem. 

Segundo Cléber, o tempo fechado é resultado de um sistema de baixa pressão no oceano em conjunto com o transporte de alta umidade da Amazônia. Esse encontro forma áreas de instabilidade que podem causar chuvas intensas. 

O período de chuva deve durar pelo menos até domingo. Enquanto isso, o céu fica encoberto a nublado com pancadas de chuvas acompanhadas de rajadas de vento e trovões. As temperaturas continuam em declínio, sem ultrapassar os 26°C. 

De acordo com o Inmet, os dias de chuva mais forte – quinta e sexta-feira – devem atingir a Região Metropolitana de BH, Zona da Mata, Rio Doce, Vale do Mucuri e Vale do Jequitinhonha. O Triângulo e Sul de Minas tem possibilidade de chuva, mas não significativa.

A partir de domingo o sistema que atua em Minas Gerais deve deslocar para a Bahia, dando espaço para o Sol e elevação de temperatura na próxima semana no estado mineiro.

Kalil transfere gabinete para Centro de Operações


Ainda nesta quarta, a Prefeitura de Belo Horizonte anunciou que o prefeito Alexandre Kalil vai transferir o gabinete para o Centro Integrado de Operações (COP-BH), na quinta e na sexta, por conta da previsão de chuva. “A Prefeitura de Belo Horizonte montou no local uma força tarefa com todas suas secretarias e órgãos além do Corpo de Bombeiros, Polícia Militar e Gasmig com o objetivo de monitorar a evolução climática na cidade e atuar em casos de emergência”, diz a nota. 

A PBH decretou situação de emergência por conta dos danos na Avenida Tereza Cristina, na divisa com Contagem. Em coletiva na última segunda-feira, ele comentou. 

“Essa é uma chuva que só ocorre de mil em mil anos. Mesmo que estivéssemos com todas as obras prontas, incluindo as intervenções licitadas e outras projetadas ou em andamento, não teríamos condições de conter”, disse Kalil.  


Publicidade