Publicidade

Estado de Minas

Caso Backer: sobe para 19 o número de casos suspeitos de intoxicação por dietilenoglicol

De acordo com o boletim da SES, quatro casos foram confirmados e os 15 restantes continuam sob investigação


postado em 17/01/2020 18:31 / atualizado em 17/01/2020 18:44

Instalação da Fábrica da Cervejaria Backer, no Bairro Olhos D'Agua (foto: Paulo Filgueiras/EM)
Instalação da Fábrica da Cervejaria Backer, no Bairro Olhos D'Agua (foto: Paulo Filgueiras/EM)
Subiu para 19 o número de casos suspeitos de intoxicação exógena por Dietilenoglicol. A informação foi divulgada no fim da tarde desta sexta-feira pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG). Desses, 17 pessoas são do sexo masculino e duas do feminino. Quatro pessoas morreram.

A distribuição geográfica dos 19 casos notificados, segundo município de residência, é a seguinte: 12 casos em Belo Horizonte e os demais 7 casos contabilizam registros em Capelinha, Nova Lima, Pompéu, São João Del Rei, São Lourenço, Ubá e Viçosa.

De acordo com o boletim, quatro casos foram confirmados e os 15 restantes continuam sob investigação, uma vez que apresentaram sinais e sintomas com relato de exposição.

Um desses óbitos está entre os quatro casos em que foi confirmada a presença da substância dietilenoglicol no sangue. Trata-se de Paschoal Demartini Filho, de 55 anos, morador de Ubá, na Zona da Mata. O genro dele, Luiz Felippe Teles Ribeiro, ainda está internado. Eles estavam em um hospital de Juiz de Fora, na mesma região, e confraternizaram com familiares no Bairro Buritis, Região Oeste de BH, onde consumiram a cerveja Belorizontina, da Backer.

O último óbito associado ao caso foi do Milton Pires, de 89 anos, fundador do Bar Baiuca, no Bairro Funcionários, Região Centro-Sul da capital, faleceu no Hospital Mater Dei, onde deu entrada no início desta semana. O corpo dele foi levado ao Instituto Médico-Legal para exames de necropsia. Segundo um filho de Milton, que se identificou somente como Elton, o pai tomou a cerveja dentro do próprio bar na semana passada. Ele afirma que todo estoque do estabelecimento de rótulos da Backer já foi “encaixotado” e o fornecedor substituído.

Na quarta-feira, morreu mais uma vítima com suspeita de síndrome nefroneural: a vítima é Antônio Márcio Quintão de Freitas, de 77 anos, como apurou a reportagem do Estado de Minas. Segundo a instituição, o paciente estava internado no Hospital Mater Dei, em Belo Horizonte.

Ontem, foi incluída oficialmente a morte da moradora de Pompéu, na Região Central de Minas Gerais. Ela morreu com os sintomas semelhantes aos da intoxicação exógena causadora da síndrome nefroneural, ingeriu a cerveja Belorizontina no dia 19 dezembro, na casa de parentes, em Belo Horizonte.

A SES-MG orienta à populaçãoque caso tenha em sua residência cervejas de qualquer marca ou lote produzida pela Cervejaria Backer não a descarte em pias ou vasos sanitários, nem as coloque no lixo comum, pois outras pessoas podem pegar e consumir esses produtos. Estas cervejas devem ser identificadas com alguma inscrição do tipo: “Não ingerir. Produto impróprio para o consumo”, armazenadas separadamente dos demais alimentos até que você possa entregá-los nos pontos de recepção.

A pasta continuará a investigação epidemiológica e clínico-laboratorial dos casos, incluindo a emissão de notas técnicas para orientação aos serviços e profissionais de saúde, e divulgação periódica de informações atualizadas à população.


Publicidade