Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Mais dinheiro e ladrões na praça: saiba como evitar que seu 13º vá parar nas mãos de criminosos

Corre-corre no comércio, descuido na hora de falar ao celular e casas vazias em período de férias são prato cheio para a ação de criminosos. Polícia reforça vigilância e dá dicas de proteção


postado em 22/12/2019 06:00 / atualizado em 22/12/2019 07:30

Risco na rua: uso de celular em área movimentada do comércio expõe moradores a furtos. O aparelho é um dos principais alvos de ladrões(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
Risco na rua: uso de celular em área movimentada do comércio expõe moradores a furtos. O aparelho é um dos principais alvos de ladrões (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)

É fim de ano, tempo de festas e – logo, logo – hora de milhares de pessoas curtirem férias em família, aproveitando o intervalo para descanso nas escolas. O décimo terceiro na mão – este ano reforçado com a possibilidade de saque de parte do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) – aumenta o montante de dinheiro em circulação, corre-corre para as compras de Natal e aglomeração nas áreas comerciais. Prato cheio para fazer a festa também de criminosos, à espreita para garantir o próprio “13º”. Todo cuidado é pouco para quem não quer perder para o ladrão.

Apesar de as ocorrências de furtos e roubos apresentarem queda ao longo deste ano em Minas Gerais, o momento é de alerta. Tradicionalmente, essas modalidades de crime, assim como as saidinhas de banco e os estelionatos, crescem nesta época do ano. Em janeiro, é a vez de bandidos garantirem o “14º”, “sacado” em residências temporariamente vazias,  já que muitas pessoas deixam suas casas para curtir com a família as férias escolares nesse mês.  Para tentar impedir as ações de quadrilhas e criminosos isolados, as polícias Civil e Militar realizam operações pontuais nos principais áreas comerciais agora, e nas residenciais, em janeiro.



A oportunidade é o que move muitos criminosos, principalmente aqueles que pretendem subtrair bens sem que a ação seja percebida pela vítima. Nesta época do ano, as áreas comerciais concentram um grande número de pessoas e os bandidos, principalmente os chamados batedores de carteiras, aproveitam para agir. O favorito da vez é o celular. “O fluxo de pessoas e as atitudes das vítimas acabam contribuindo para o aumento desse tipo de crime. A parcela de contribuição da sociedade para tomar medidas de autoproteção é necessária”, afirmou o delegado Wagner Sales, chefe do 1º Departamento da Polícia Civil.

Além dos furtos e roubos – diferenciados pelo uso ou não da violência (confira quadro), outro crime vem crescendo: o estelionato. Os criminosos estão cada vez mais ousados na aplicação de golpes. “Eles partiram do bilhete premiado para vários golpes, inclusive na internet. Por isso é importante não dar senhas, não pedir ajuda para estranhos nas ruas, não sair com grande volume de dinheiro, não usar o telefone em vias públicas. Esta é uma época em que os bandidos, mesmo com aumento de policiamento, cometem crimes para curtir o réveillon e viajar”, completou o delegado.

Para ajudar na prevenção dos crimes, as polícias Civil e Militar lançaram operações com reforço no policiamento. A 100% BH, ação da Polícia Civil, teve início em 25 de novembro, no Centro de Belo Horizonte, estendendo-se para as regiões Sul, Barreiro, Venda Nova, Leste e Noroeste da cidade. “Essas ações são de uma forma mais ostensiva com policiais nas ruas. Conseguimos prender 24 pessoas por crimes de tráfico de drogas estelionato, receptação, e homicídio até agora. São crimes que afligem a sociedade e trazem sensação de insegurança”, comentou Wagner Salles.

O reforço na segurança também é feito pela Polícia Militar. “Devido ao aquecimento do comércio e outros fatores próprios de fim ano, a Polícia Militar adota diversificadas estratégias de policiamento visando à manutenção da segurança pública na cidade e à redução criminal. A operação natalina é mais um esforço institucional, caracterizado pela atuação de diversificados serviços do portfólio da PM em prol do cidadão”, afirma a tenente Gisele Couto, assessora de Comunicação Organizacional do Comando de Policiamento da Capital (CPC).

Casas vazias


No início de 2020, as ações devem continuar. Mas o foco muda, para tentar evitar outro tipo de crime: o roubo a residências. Os criminosos aproveitam as férias, quando casas, estabelecimentos comerciais e prédios estão mais vazios, para cometer os assaltos. Algumas dicas podem ser seguidas como prevenção contra as ações dessas quadrilhas. “Antes de se ausentar da residência, confira se as portas, janelas e portões estão trancados de modo adequado e os alarmes devidamente acionados. Comunique sua ausência a seu vizinho ou pessoa de confiança. Assim, o imóvel pode ser observado. E diante da presença de qualquer pessoa ou veículo suspeito, a Polícia Militar deve ser acionada imediatamente para realizar a abordagem”, recomendou Gisele Couto.

A PM vai lançar, em janeiro, a operação “Férias seguras”, visando combater esse tipo de ação das quadrilhas. Já a Polícia Civil fará a Operação Verão com o mesmo propósito.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade