Publicidade

Estado de Minas

Moradores de Brumadinho querem indenização e rio limpo

População reivindica a extensão da indenização, que seria paga pela mineradora até dezembro. Audiência na Justiça vai definir critérios para o pagamento emergencial


postado em 21/11/2019 15:33 / atualizado em 21/11/2019 20:54

Moradores temem que a qualidade da água traga problemas de saúde(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A press)
Moradores temem que a qualidade da água traga problemas de saúde (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A press)
Mais de 1 mil pessoas atingidas pelo rompimento da Barragem da Vale, em Brumadinho, protestam nesta quinta-feira na porta do prédio do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), na Avenida Raja Gabaglia, por assistência e ações para reparar os danos.

Uma audiência na Justiça, que começou às 13h30, vai definir nesta quinta-feira critérios para o pagamento emergencial atingidos pelo rompimento da barragem da Vale, em Brumadinho, no ano que vem.

A população reivindica a extensão da indenização, que seria paga pela mineradora até dezembro.

O Judiciário também aguarda da empresa medidas para garantir o abastecimento de água preservação do Rio das Velhas.

"Queremos que a Justiça respondesse aos anseios da população em Brumadinho e Bacia do Paraopeba. Queremos que o pagamento se estenda até que a reparação de danos seja concluída", afirma o presidente da Associação de Moradores de Córrego de Feijão, Jeferson Custódio.

Na última audiência, dia 24, a Vale também se comprometeu a apresentar propostas para preservar mananciais que estão dentro de suas propriedades e criar um sistema de captação no Rio das Velhas.

A empresa terá que construir captação suplementar em Macaúbas, na bacia do Paraopeba, para garantir o abastecimento de água na região metropolitana.

"Queremos que deixem o rio limpo. Não pode pescar. Temos muito medo que falte água", ressalta Miriam de Oliveira, de 58 anos, moradora de Brumadinho.

Moradores temem que a qualidade da água traga problemas de saúde. Segundo Custódio, uma água barrenta é o que sai nas torneiras da comunidade de Córrego do Feijão.

"Também estamos respirando poeira contaminada", afirma o morador Fabiano de Oliveira.

Outra preocupação é em relação à interrupção do pagamento de indenizações emergenciais pagas a moradores de Brumadinho e residentes localizados até 1 km da calha do Rio Paraopeba, desde Brumadinho até a cidade de Pompéu, na represa de Retiro Baixo.

O pagamento mensal de R$ 998 por adulto atende ao Termo Acordo Preliminar (TAP). " Perdi o emprego porque trabalhava numa terceirizada da Vale e até hoje não consegui me recolocar," afirma o apontador Carlos Roberto da Silva, de 61 anos, que protestava pela extensão do pagamento.

O outro lado


Segundo a assessoria de imprensa da Vale, a empresa apresentou ao juízo da 6ª Vara da Fazenda Pública uma proposta de prorrogação do pagamento emergencial e aguarda avaliação. Até o momento, 108 mil pessoas recebem os pagamentos emergenciais. Além destes valores, a Vale já celebrou mais de 4.000 acordos, indenizando integralmente as pessoas. Nestas ações, já foram destinados recursos superiores a R$ 2 bilhões.

A empresa está estudando as medidas cabíveis diante da suspensão dos efeitos da liminar que autoriza as obras na área de captação. As demais ações ao longo da adutora continuam em andamento, sem que seja desrespeitada a ordem judicial. Entre elas estão atividades de engenharia, melhoria de acessos e chegada de materiais.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade