Publicidade

Estado de Minas OFICINA DE MODELAGEM

Oficina de modelagem ensina a crianças com 'massinha' como nascem os carros

Em iniciativa que continua neste Dia das Crianças, Casa Fiat de Cultura tem programação aberta com argila para mostrar processo de desenvolvimento de modelos


postado em 12/10/2019 06:00 / atualizado em 12/10/2019 07:53

Em programação que se estende a este Dia das Crianças, Casa Fiat de Cultura ensinou como nascem os modelos de carros(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
Em programação que se estende a este Dia das Crianças, Casa Fiat de Cultura ensinou como nascem os modelos de carros (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)


Parecia uma brincadeira de massinha. Com espátulas nas mãos, raspando e moldando, estudantes de uma escola pública de Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, aprenderam ontem na prática parte do processo de produção de veículos nas montadoras. Afinal, olhando por aí os vários modelos, tão sólidos e robustos, não dá para imaginar nem de longe que todos eles nascem a partir de argila. Em oficina especial para o Dia das Crianças em um dos equipamentos culturais do Circuito Liberdade, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte, a meninada pôde se divertir, aprender e se debruçar sobre um mundo de novidades.

A oficina Modelagem – da argila à escultura foi oferecida pela Casa Fiat de Cultura a 26 alunos do 7º ano da Escola Estadual Estudante Lívia Mara de Castro, no Bairro Industrial São Luiz. O estudante Lentz Maxwell, de 13 anos, aproveitou com entusiasmo a oportunidade de conhecer esse processo. Amante de carros, principalmente dos antigos e dos modelos japoneses, saiu persuadido de que seria um ótimo modelador. “Nunca imaginei que um carro começasse a partir da argila. Foi uma ótima experiência”, disse.

Sob a tutela do supervisor de Modelação da Fiat Celso Morassi, a turma aprendeu que tudo começa com o trabalho da engenharia, que precisa dimensões que vão das distâncias internas ao volume do porta-malas. Depois de desenhada virtualmente em 3D, a estrutura do futuro veículo – em ferro, capa de isopor e cerca de 5 centímetros de argila – é levada para a fresa de uma máquina, que vai modelando em tamanho real. “Aí entra o modelador, profissional que vai esculpindo para ficar do jeito que se quer”, explica Morassi.

A argila, material importado da Alemanha, se tornou massinha nas mãos dos adolescentes. “É uma brincadeira, mas para nós é trabalho sério”, disse o supervisor da montadora. Ninguém duvida, mas o termo “massinha” foi que pegou. Que o diga a estudante Raya Yasmin Matos da Silva. “Adorei isso. Eu quero ser atriz, mas se não der certo, poderia seguir essa profissão, pois adoro brincar de massinha”, disse, já vislumbrando o futuro.

Para o professor de história Felipe Augustus Souza, da escola, momentos como o da oficina abrem muitas perspectivas para os alunos. “Eles se questionam muitas vezes, mas não sabem como é a evolução dos processos. É uma forma de eles entenderem não apenas isso, mas também o que são capazes de fazer e os novos caminhos que podem seguir.”

E CONTINUA... A oficina ontem foi um chamado para a programação de hoje para o Dia das Crianças. Quem ficou curioso pode se inscrever para a oficina, que será aberta a crianças e seus familiares, no site do Sympla. Além dela, estão previstas nos jardins da Casa Fiat tendas para o projeto Encontros com o patrimônio – brincadeiras de todos os tempos. Nele, haverá brincadeiras de rua, como elástico, passa-anel e amarelinha, e a criação de brinquedos com materiais recicláveis ou que podem ser reaproveitados. “Queremos com essa atividade ressaltar a importância do lúdico, de não deixar que se perca na rotina, porque ele abre caminhos para a criatividade e outras formas de experimentação do mundo”, afirma a coordenadora do Programa Educativo da Casa Fiat de Cultura, Clarita Gonzaga.



Publicidade