Publicidade

Estado de Minas

Ceará sofre com ataques a ônibus, onda contida em Minas após condenação de 25 criminosos

Enquanto a população da Grande Fortaleza enfrenta uma onda de ataques a ônibus e edificações públicas a mando do crime organizado, em Minas Gerais a condenação de 25 cessou as ações


postado em 24/09/2019 14:04 / atualizado em 24/09/2019 14:53

Ônibus incendiado por criminosos no Anel Rodoviário de BH, em 2018(foto: Ramon Lisboa/EM/D.A press)
Ônibus incendiado por criminosos no Anel Rodoviário de BH, em 2018 (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A press)
Ataques em massa a ônibus como os que deixam o estado do Ceará sob alerta desde o dia 21, quando, até agora, foram 15 ônibus incendiados como resposta do crime organizado a ações nos presídios, cessaram em Minas Gerais somente depois da condenação de 25 pessoas, acusadas de serem responsáveis por 101 atentados a veículos e edifícios públicos. Os acusados são julgados em segunda instância e o Ministério Público informou que apresenta as contra-razões à defesa dos réus para que sejam condenados definitivamente.

Os 25 condenados respondem por uso de arma de fogo, associação com o tráfico, incêndio em edifício público e em transportes coletivos com penas de 22 a 32 anos de prisão. Estão presos desde julho de 2018 em Regime Disciplinar Diferenciado (RDD), com horário de banho de sol reduzido e direito a visitas limitado. A investigação mostra que os acusados agem desde 2017 e são ligados a uma facção criminosa que nasceu e domina os presídios de São Paulo.

Os ataques no Ceará se concentraram na Grande Fortaleza e os alvos foram ônibus, carros e caminhões. Seis suspeitos foram detidos e um menor de idade apreendido. Policiais militares foram embarcados em ônibus para garantir a segurança dos passageiros.

Para o governo cearense as ações criminosas são uma resposta contra o endurecimento do governo ao crime organizado, que prega uma política de regalias zero nos presídios.


Publicidade