Publicidade

Estado de Minas

Depois de cinco dias, bombeiros apagam incêndio no Norte de Minas

Trabalho da corporação foi reforçado pelo Exército, brigadistas e voluntários da região. Preocupação era que chamas atingissem sítio arqueológico e ambiental próximo


postado em 20/09/2019 19:51 / atualizado em 20/09/2019 19:57

Ver galeria . 9 Fotos Corporação trabalha no combate às chamas na Área de Preservação Ambiental (APA) Serra do Mel, em Montes Claros, na Região Norte do estadoEduardo Gomes/Divulgação
Corporação trabalha no combate às chamas na Área de Preservação Ambiental (APA) Serra do Mel, em Montes Claros, na Região Norte do estado (foto: Eduardo Gomes/Divulgação )

 
O Corpo de Bombeiros anunciou, nesta sexta-feira (20), que foi debelado o incêndio florestal na Serra do Mel, situada perto da área urbana de Montes Claros, no Norte de Minas. O fogo persistia no local desde domingo e devastou cerca de 80 hectares, equivalente a 80 campos de futebol.

As chamas foram controladas na noite de quinta-feira (19), depois que 39 homens do 55º Batalhão de Infantaria (BI) do Exército se somaram à operação de combate às chamas. 

Na manhã do mesmo dia, o grupamento Exército se juntou a 46 bombeiros militares, brigadistas do Instituto Estadual de Florestas (IEF) e voluntários, que somaram esforços para o controle do fogo. O trabalho de combate ao fogo também foi feito pelo ar, com o uso do helicóptero Guará, do IEF. 
 
(foto: Eduardo Gomes/Divulgação)
(foto: Eduardo Gomes/Divulgação)
 
 
O 7º Batalhão de Bombeiros Militar de Montes Claros informou que, após o controle do incêndio, as equipes vasculharam área da Serra do Mel para fazer o rescaldo e verificar a existência de possíveis focos. Esse trabalho aconteceu na manhã desta sexta.

Durante a tarde, foi feito um sobrevoo na região. Nenhum foco foi constatado. Por isso, a corporação deu o fogo como extinto e os trabalhos foram encerrados. 

A vegetação seca, o vento, as altas temperaturas e a baixa umidade do ar dificultou o combate por parte dos bombeiros e brigadistas. Esses fatores contribuíram para que o fogo avançassem pela região de difícil acesso durante cinco dias. 

As equipes se esforçam para impedir a chegada das chamas ao Parque Estadual da Lapa Grande (14 mil hectares), situado na mesma região e que abriga cavernas e sítios arqueológicos, além de nascentes.

Segundo o ambientalista Eduardo Gomes, da ONG)Instituto Grande Sertão (IGS), o fogo chegou a uma distância de apenas um quilômetro do limite do Parque da Lapa Grande. A estrutura é administrada pelo IEF. 

Também foi feito um trabalho para impedir que o fogo atingisse as casas da comunidade de Palmito, situada perto da Serra do Mel, onde moram dezenas de pessoas. Ninguém ficou ferido.

O incêndio teria surgido em um chacreamento irregular da região. A suspeita é que a causa teria sido criminosa, o que ainda será investigado.


Publicidade