Publicidade

Estado de Minas

Detentos da Nelson Hungria comandam mais um sequestro de dentro da unidade

Presos pediram R$ 1 milhão para liberar jovem morador de Bom Despacho, na Região Centro-Oeste de Minas Gerais. Na última quinta (8), polícia divulgou outro caso de sequestro orquestrado de dentro da unidade, daquela vez de uma criança de 7 anos


postado em 11/08/2019 19:00 / atualizado em 12/08/2019 08:48

Complexo Penitenciário Nelson Hungria está interditado desde a última quinta-feira e não pode mais receber detentos(foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
Complexo Penitenciário Nelson Hungria está interditado desde a última quinta-feira e não pode mais receber detentos (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)

 

O segundo crime de extorsão mediante sequestro comandado de dentro do Complexo Penitenciário Nelson Hungria (CPNH) em apenas quatro dias. A Polícia Civil identificou sete homens acusados de raptar um jovem de 21 anos de Bom Despacho, na Região Centro-Oeste de Minas Gerais.


Segundo a corporação, os líderes do crime pediram R$ 1 milhão à família do jovem para libertá-lo. O pagamento, no entanto, não foi realizado devido ao trabalho da polícia.


A operação partiu de policiais do Departamento Estadual de Operações Especiais (Deoesp) e da delegacia de Bom Despacho. O órgão dará mais detalhes sobre o crime nesta segunda-feira (12), por meio dos delegados Ramon Sandoli (Deoesp) e Thales Gontijo (Bom Despacho) e do inspetor Marco Matos (Deoesp).


Na última quinta-feira (8), outra ocorrência comandada de dentro da Nelson Hungria saltou aos olhos. Preso na estrutura, Daniel Augusto Cypriano foi o mentor intelectual do sequestro de uma criança de 7 anos, ocorrido em Florestal, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.


O crime durou dois dias e os bandidos pediram R$ 300 mil para a liberação do garoto. No cativeiro, a polícia encontrou carrinhos, máscaras de super-herois e até videogame, aparentemente para entreter a vítima.


Cypriano já liderou, inclusive, um motim na cadeia de segurança máxima em fevereiro de 2013.


A reportagem entrou em contato com a Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap), mas a pasta ainda não se posicionou. Caso o governo de Minas se manifeste, essa matéria será atualizada.

Interdição


Também na última quinta, o juiz Wagner de Oliveira Cavalieri interditou a Nelson Hungria. No documento, Cavalieri destaca que a medida precisaria ser tomada “ante a inércia da administração prisional e a escancarada piora do cenário encontrado no complexo penitenciário”.


O déficit de agentes penitenciários também foi ressaltado pelo juiz. “A direção do CPNH informou sobre as dificuldades de soltura dos presos para o banho de sol em razão das baixas do GIR (Grupo de Intervenção Rápida). Impõe-se registrar que não é ou não deveria ser atribuição do GIR a soltura de presos para banho de sol ou para atendimentos diversos”, comunicou.

O que diz a Sejusp


Em nota, a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) informou que tem somado esforços com instituições parceiras para promover melhorias a curto, médio e longo prazo nos presídios do estado. "A expectativa é que até o primeiro semestre de 2020 sejam criadas aproximadamente 2.500 novas vagas oriundas de ampliações e construções de unidades", informou a pasta.


Publicidade