Publicidade

Estado de Minas

Militar acusado de matar jovem em boate de BH será julgado

Suspeito receberá sentença na manhã desta segunda-feira, no Fórum Lafayette


postado em 09/08/2019 17:48 / atualizado em 09/08/2019 18:45

 

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), por meio do 2º Tribunal do Júri do Fórum Lafayette, vai julgar, nesta segunda-feira (12), o policial militar Nedilson Rocha Andrade, acusado de matar Herick Viriato Parreiras Paulino. O caso aconteceu na saída da boate Platinas's Show, na Rua Platina, no Bairro Prado (Região Oeste), durante a madrugada de 2 de fevereiro de 2015.


Na ocasião, segundo a Polícia Civil, a vítima, até então com 25 anos, estava no local acompanhado de amigos e familiares. Por volta das 2h, o jovem foi ao banheiro com um copo de cerveja nas mãos. Quando voltou, deixou parte da bebida cair em uma moça, que estava acompanhada do cabo da PM Nedilson Rocha Andrade.


A situação gerou uma discussão entre Herick e Nedilson, de acordo com a Polícia Civil. O militar chegou a agredir o rapaz com socos. A dupla foi retirada da boate por seguranças.


Porém, um fato chamou a atenção de quem estava no local: conforme testemunhas, Nedilson disse que era policial militar e que o rapaz deveria “abaixar a bola”.


Ainda conforme a polícia, quando chegou à rua, o cabo da PM viu a vítima relatando a amigos o que havia acontecido. Novamente, o militar quis tirar satisfação com o grupo, que por sua vez, pediu desculpas pelo ocorrido. 


Mesmo assim, segundo a polícia, Nedilson sacou sua arma e atirou no ombro de Herick. Os jovens que estavam com ele correram, mas o policial também atirou diversas vezes contra eles. Depois, ele se voltou novamente contra Herick e disparou mais uma vez contra ele.


Uma câmera de segurança gravou todo o fato e foi a principal prova da Polícia Civil para concluir o inquérito. Durante os trabalhos, os investigadores concluíram que a casa de shows tinha detector de metais em sua entrada, por isso não seria possível o militar entrar no local com uma arma sem ser barrado.


A boate também não tinha o nome do suspeito em sua lista daquela noite. As imagens mostram, ainda, que militares não recolheram as cápsulas que ficaram espalhadas pela rua, o que impossibilitou identificar de quem era a arma utilizada no crime. A única informação era que se tratava de cartuchos de calibre 380.


A partir daí, segundo a polícia, investigadores passaram a frequentar boates do bairro para investigar o caso. Nedilson chegou a se apresentar à Polícia Civil, mas repassou informações distintas das vítimas e testemunhas.


Ele disse que agiu para se defender, pois havia sido ameaçado. Ainda assim, o suspeito foi expulso da PM pelo Comando-Geral da corporação. Ele chegou a entrar com um recurso, mas a polícia manteve a decisão.


Nedilson servia ao 22º Batalhão, lotado no Bairro Santa Lúcia, Região Centro-Sul de BH.

 

(foto: Reprodução/Polícia Civil)
(foto: Reprodução/Polícia Civil)
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade