Publicidade

Estado de Minas

Adolescente ferido por linha chilena em Betim terá perna amputada

Estudante de 15 anos estava internado desde o último sábado após a linha cortante laçar as duas pernas dele enquanto caminhava pela rua


postado em 24/07/2019 13:29

Adolescente é operado no Hospital Regional de Betim, na Grande BH(foto: Reprodução da internet/Google Maps)
Adolescente é operado no Hospital Regional de Betim, na Grande BH (foto: Reprodução da internet/Google Maps)


Ferido por uma linha chilena enquanto andava na calçada em Betim, na Grande BH, o estudante Gabriel Lucas, de 15 anos, terá a perna amputada. A informação foi confirmada por familiares nesta quarta-feira. Ele entrou no bloco cirúrgico pela manhã. O Hospital Regional de Betim, onde ele está internado, informou que os médicos vão conceder uma coletiva de imprensa nesta tarde para falar sobre o caso. 

O acidente ocorreu no sábado. Gabriel tinha acabado de jogar futebol, esporte que mais gosta. Passou em uma borracharia para consertar o pneu da bicicleta, que havia furado, e voltava para casa a pé. Enquanto caminhava pela calçada, foi surpreendido por uma linha cortante que se prendeu em uma van e o atingiu. “Laçou as duas pernas dele. Na esquerda, cortou os nervos”, conta o pai do adolescente. “A sorte é que dois rapazes e uma mulher deram o socorro e conseguiram estancar o sangramento. Senão, ele tinha morrido. Perdeu muito sangue”, contou o comerciante Amilton do Nascimento, de 46 anos, em entrevista ao Estado de Minas publicada ontem

O adolescente foi levado pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para o Hospital Regional de Betim, onde passou por dois procedimentos – uma cirurgia de revascularização e um procedimento cirúrgico de fasciotomia, que ajuda a tratar a perda de circulação em uma área de tecido ou músculo. O jovem teve lesões nas artérias e nas veias da perna esquerda. 

Amilton afirma que o sonho do filho é virar atleta de futebol. Inclusive, o estudante tinha um teste marcado em um time de Betim. “Ele está muito sério, com o semblante triste, angustiado. O sonho dele é ser jogador. Estava diante da possibilidade de jogar em um time de Betim”, comentou na segunda-feira. “Essa linha é uma arma letal. Foi com meu filho, mas pode acontecer com qualquer outra pessoa. Tem que ter responsabilidade. Se pega no pescoço, mata o menino”, desabafou. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade