Publicidade

Estado de Minas

PRF já apreendeu mais cocaína em 2019 que no ano passado inteiro em Minas

Corporação já apreendeu 268 quilos da droga em 2019, contra 247 quilos apreendidos nos 12 meses de 2017


postado em 22/07/2019 18:45 / atualizado em 22/07/2019 18:57

Droga apreendida nesta segunda, em Contagem, na Grande BH(foto: Divulgação/PRF)
Droga apreendida nesta segunda, em Contagem, na Grande BH (foto: Divulgação/PRF)

 
A luta entre a Polícia Rodoviária Federal (PRF) e o tráfico de drogas ganha cada vez mais rounds em 2019. A corporação alcançou, nesta segunda-feira (22), a marca de 268 quilos de cocaína apreendidos neste ano – número superior aos 247 quilos retirados de circulação em 2018 inteiro e aos 193 apreendidos nos 12 meses de 2017.

A marca foi batida em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, onde os militares apreenderam 31 quilos da droga na BR-040. A estatística chama atenção quando combinada com os dados de maconha apreendida neste ano, que também já superaram o total do ano passado, conforme mostrado pelo Estado de Minas no início do mês.

No caso desta segunda, em Contagem, a droga estava dividida em tabletes. O que chamou a atenção dos agentes é que, junto ao entorpecente, estavam cartas de baralho com o desenho animado Galinha Pintadinha. O veículo foi parado por agentes da PRF. Ao fazer as buscas, eles encontraram drogas escondidas em um compartimento secreto atrás dos bancos do passageiro e do motorista. Cães farejadores ajudaram no encontro da carga ilícita. Um homem, de 37 anos, foi preso. 
 
Só no mês de julho, o Estado de Minas noticiou outra apreensão de cocaína. Em Pirapora, no Norte do estado, um homem de 38 anos e uma jovem de 18 foram detidos por transportar 23 tabletes de pasta base de cocaína, o que totaliza cerca de 23 quilos da droga. Segundo a PRF, a dupla planejava transportar cocaína de Jaú (SP) para Ilhéus (BA), passando pela BR-365, onde foi detida na altura do Km 165.  

Maconha

Nesse domingo, polícia apreende 200 quilos de maconha que iriam para Divinópolis(foto: Divulgação/PRF)
Nesse domingo, polícia apreende 200 quilos de maconha que iriam para Divinópolis (foto: Divulgação/PRF)
 

 

A PRF também já bateu, neste ano, toda a apreensão de maconha do ano passado. São 16,5 toneladas contra as 14 do ano anterior e as 4,2 de 2017. Neste fim de semana, a corporação apreendeu 342 tabletes de maconha na tarde de domingo. O caso aconteceu na altura do Km 534 da BR-381, em Itatiaiuçu, na Grande BH. A carga totalizava aproximadamente 200 quilos.
 
Ainda neste mês, policiais trocaram tiros com traficantes em Juiz de Fora, na Região da Zona da Mata. A ocorrência terminou com a apreensão de 600 quilos de maconha. A droga estava escondida em um caminhão encontrado dentro de uma propriedade às margens da BR-267. Um suspeito foi detido. 
 
Já Sabará, na Grande BH, 84 tabletes de maconha, pesando entre 40 e 50 quilos, foram apreendidos na altura do Km 452 da BR-381. A droga estava num carro que transportava três crianças.

Rotas


Levantamentos da PRF no estado indicam o destaque de duas rotas em relação à maconha e à cocaína. Normalmente, os entorpecentes passam pelo Triângulo Mineiro nos transportes de grandes quantidades.

Em volumes menores, há uma rota importante que usa ônibus de viagem entre o estado de São Paulo e o Nordeste do Brasil.

A corporação atribui o aumento a uma série de ações, que, juntas, tem deixado o trabalho de fiscalização em busca de drogas mais efetivo. A intensificação do uso de cães farejadores, o investimento em especialização e qualificação dos policiais e a criação do chamado Grupo de Policiamento Tático (GPT) em diferentes delegacias da PRF no estado são exemplos que contribuem para o resultado.

Além disso, o uso mais intenso da inteligência ajuda bastante, na avaliação do inspetor Aristides Júnior, chefe do Núcleo de Comunicação Social da PRF em Minas. “Por sermos uma polícia federal, temos a facilidade de trocar informações com todas as nossas unidades do país. Aí entra nossa área de inteligência, que faz esse trabalho de intercâmbio não só entre a agentes da própria PRF nos estados, mas também com outras forças policiais”, afirma.
 
Com Guilherme Paranaiba 


Publicidade