Publicidade

Estado de Minas

Animais são maltratados em abrigo de Sabará

O acusado vinha sendo investigado pelo MP desde novembro de 2018


postado em 11/07/2019 19:25 / atualizado em 11/07/2019 21:00

Eles receberam cuidados médicos veterinários emergenciais(foto: MP/Divulgação )
Eles receberam cuidados médicos veterinários emergenciais (foto: MP/Divulgação )
Quarenta e oito cães de grande e médio porte foram encontrados em situação de maus-tratos em zona rural de Sabará, Região Metropolitana de Belo Horizonte. Eles receberam cuidados médicos veterinários emergenciais e passaram por exames clínicos e laboratoriais para verificação de condições de saúde.
 
A operação foi deflagrada nesta quinta-feira (11/7) pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e o responsável, que não teve o nome divulgado e é policial civil, compareceu ao MPMG, prestou declarações e assinou termo de ajuste de conduta preliminar por meio do qual se obrigou a adotar medidas emergenciais, sob a orientação de médico-veterinário, para assegurar o bem-estar dos cães. 
 
Ele ainda se comprometeu a entregar os bichos para adotantes indicados pelo MP. Em breve serão divulgados os animais disponíveis para adoção. O acusado vinha sendo investigado pelo MP desde novembro de 2018.
 
A ação, segundo nota do MP, foi organizada pela 2ª Promotoria de Justiça de Sabará, com o apoio da Coordenadoria Estadual de Defesa da Fauna (Cedef), do Núcleo de Combate aos Crimes Ambientais (Nucrim) e da Central de Apoio Técnico (Ceat) do MPMG, e contou com com o apoio da Polícia Militar de Meio Ambiente e da Corregedoria da Polícia Civil, pela condição de policial Civil do investigado. 
 
Para a ação, que cumpriu mandados de busca e apreensão autorizados pela Vara Criminal de Sabará, foram mobilizados 40 policiais civis e militares, duas promotoras de Justiça, quatro médicos-veterinários do MPMG e três da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), além de quatro auxiliares de veterinária.
Três animais foram recolhidos para o Hospital Veterinário da UFMG e os demais ficaram sob a guarda do investigado, depois da assinatura do termo de ajuste de conduta (TAC). 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade