Publicidade

Estado de Minas

Criminoso ateia fogo em morador de rua dormindo no centro de Montes Claros

Vítima tem 44 anos e não conseguiu ver o autor do crime. Com lesões graves, ele vai passar por cirurgia nesta quarta


postado em 10/07/2019 09:55 / atualizado em 10/07/2019 11:02

Vítima dormia na calçada na Rua Grão Mogol quando foi atingida pelas chamas(foto: Reprodução da internet/Google Maps)
Vítima dormia na calçada na Rua Grão Mogol quando foi atingida pelas chamas (foto: Reprodução da internet/Google Maps)


Está internado na Santa Casa de Montes Claros, no Norte de Minas, o morador de rua André José de Santos, de 44 anos, apelidado de "Grilo",  que teve queimaduras de segundo e terceiro graus no rosto e na perna esquerda, depois que uma pessoa ateou fogo no corpo dele, no Centro da cidade, na tarde de terça-feira. 

A assessoria da Santa Casa informou que o quadro do paciente é estável, com a previsão de que ele será submetido a cirurgia ainda na manhã desta quarta-feira.   

De acordo com a Polícia Militar (PM), o morador de rua informou que, na tarde de terça-feira ingeriu bebida alcoólica e que, em seguida, deitou na calçada e teve um "sono profundo", na Rua Grão Mogol, perto da Catedral de Nossa Senhora Aparecida, no centro da cidade.

Ainda segundo a PM, o homem revelou que acordou com o corpo em chamas e pediu ajuda. Ele foi socorrido por integrantes da equipe de apoio social "Consultório na Rua", da Prefeitura de Montes Claros,  e encaminhado ao pronto socorro da Santa Casa.

A vítima informou para os policiais que não envolveu em nenhuma confusão e não sabe quem ateou fogo em seu corpo. Os sistemas de vigilância eletrônica de lojas da Rua Grão Mogol também foram averiguados. Porém, o ataque ao morador de rua não foi registrado por uma nenhuma câmera. Com o isso, o autor da agressão não foi identificado.

A Pastoral do Povo de Rua, da Arquidiocese de Montes Claros, divulgou “ nota de repúdio”, lamentando o ataque a André Santos. A nota repudia a “violação de direitos da população em situação de rua em Montes Claros”.

“Pessoas como o André, infelizmente, encontram-se em posição de extrema vulnerabilidade, carentes de garantias e direitos mínimos previstos na Constituição Federal de 1988. Barbáries assim violam o princípio máximo do Estado democrático de direito, a dignidade da pessoa humana”, diz  a nota, assinada pela por Sônia Gomes de Oliveira, do Setor Social da Arquidiocese de Montes Claros. 

A Pastoral do Povo de Rua diz ainda: "estamos buscando informações mais detalhadas até para tomar as providencias necessárias junto aos órgãos competentes. Não é possível imaginar o que levar uma ser considerado "Humano", fazer um ato bárbaro como este com o seu semelhante. É urgente apurar os fatos e ao mesmo tempo efetivar as politicas publicas de moradia, acolhimento e atendimento para esta população".


Publicidade