Publicidade

Estado de Minas

Torre da Catedral Cristo Rei vai alterar rota de voos para o Aeroporto da Pampulha

Hoje, prefeito assinou Declaração de Interesse Público do empreendimento. Documento será apresentado à Aeronáutica, já que torre do templo ultrapassa o limite da zona de proteção do aeroporto


postado em 01/07/2019 14:04 / atualizado em 02/07/2019 08:07

Alexandre Kalil assina declaração acompanhado da secretária de Política Urbana, Maria Caldas, e do arcebispo dom Walmor(foto: Edésio Ferreira/EM/DA Press)
Alexandre Kalil assina declaração acompanhado da secretária de Política Urbana, Maria Caldas, e do arcebispo dom Walmor (foto: Edésio Ferreira/EM/DA Press)


A Arquidiocese de Belo Horizonte, junto à Prefeitura da capital, deu mais um passo importante para o avanço das obras da Catedral Cristo Rei, no Bairro Juliana, Região Norte de Belo Horizonte. Na manhã desta segunda-feira, foi assinada a Declaração de Interesse Público para construção do templo. O documento era necessário para ser encaminhado à Aeronáutica, já que a torre de 100 metros de altura vai gerar uma alteração do plano de voos do Aeroporto Carlos Drummond de Andrade, na Pampulha. 

Participaram da solenidade o prefeito Alexandre Kalil, o arcebispo Metropolitano de Belo Horizonte e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Walmor Oliveira de Azevedo, e a secretária Municipal de Política Urbana, Maria Caldas. “A obra da catedral é de suma importância para a cidade”, ressaltou o prefeito, destacando também a importância do templo para o crescimento da Região Norte de Belo Horizonte. 

Dom Walmor lembrou uma fala do arquiteto Oscar Niemeyer (1907-2012), autor do projeto do templo, que disse que a Catedral Cristo Rei seria o local mais visitado da capital mineira por sua importância e porque reúne tudo de arquitetura e engenharia. “Eu acrescento que a Catedral Cristo Rei, podem escrever e constatar no futuro, significará para Belo Horizonte e para todo o estado de Minas Gerais o que o Cristo Redentor significa para o Rio de Janeiro como força de internacionalização, de importância e de grande referência”, comentou o arcebispo. As obras da catedral começaram em 2013 contam com as doações de fiéis. 

A secretária de Política Urbana, Maria Caldas, explicou que o projeto tem uma torre que ultrapassa o limite da zona de proteção do Aeroporto da Pampulha e que a Aeronáutica só concederia a autorização se o município reconhecesse o empreendimento fosse de interesse público para que o plano de navegação seja alterado. 

Feito por Oscar Niemeyer, projeto da Catedral Cristo Rei contempla torre de 100 metros de altura(foto: Arquidiocese de Belo Horizonte/Divulgação)
Feito por Oscar Niemeyer, projeto da Catedral Cristo Rei contempla torre de 100 metros de altura (foto: Arquidiocese de Belo Horizonte/Divulgação)


“O limite ali seria de 70 metros. É o último projeto do Niemeyer, e a catedral obviamente será um elemento polarizador daquela região, não só pelo seu significado mas pelo simbolismo da arquitetura. A torre é um elemento fundamental do projeto de arquitetura e a gente reconhece como de interesse público permitindo então que a Aeronáutica analise e implemente essa alteração no plano de segurança, e possa então dar andamento na construção da Catedral”, explicou Maria Caldas.  “Não atrapalha, mas modifica o plano de voo. (A torre) Vai se constituir como obstáculo. Caso seja necessário que o piloto venha a desviar de sua rota, ele fica no mapeamento consciente de que não poderá ir para aquele lado porque ali existe um obstáculo. Então o plano de fuga, de desvio considera aquele obstáculo na orientação do piloto”, pontuou a secretária. 



Maria Caldas também destacou três pontos que configuram a construção da Catedral Cristo Rei como de interesse público para a capital. “Primeiro, a própria natureza do equipamento que é importante para boa parte da população de Belo Horizonte que é católica e tem na catedral um grande referencial. Em segundo, o seu simbolismo na arquitetura, da última obra de Niemeyer. Coincidentemente primeira e última, a Igreja da Pampulha e agora a Catedral Cristo Rei que deve projetar Belo Horizonte com relação à arquitetura internacionalmente. E terceiro, a catedral não é só uma igreja, mas vai se constituir como uma grande polaridade pelo serviço que ela vai oferecer. Quem conhece o projeto vai entender que ela é bastante complexa, vai oferecer uma série de atividades, trazendo a visitação, ela deve ser um grande indutor de desenvolvimento para a Região Norte de Belo Horizonte”, finalizou. 

A Infraero afirmou que não terá alteração no funcionamento do Aeroporto da Pampulha. Sobre as rotas dos voos, o em.com.br entrou em contato com a Força Aérea Brasileira (FAB), que informou que as informações forem repassadas para o Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea). O posicionamento deve ser enviado à reportagem somente nesta terça-feira.

VIADUTO A nova catedral também vai gerar impactos no trânsito do entorno, principalmente na Avenida Cristiano Machado, o que vai demandar mudanças já previstas pela prefeitura, como destaca Maria Caldas. “Como ele está do lado direito (da avenida), vai atrair um fluxo muito grande de pessoas principalmente da região metropolitana e outros estados, e vai gerar necessidade de grandes intervenções viárias. Tem um projeto já pensado e vai se somar ao impacto já existente, como o shopping do outro lado da pista”, comentou. 

Segundo ela, não está descartada a possibilidade de discutir parcerias para que o projeto seja viabilizado. “O projeto da catedral já prevê esse viaduto, inclusive é um viaduto, do ponto de vista estético, bastante impactante, muito bonito, já é parte do projeto do Niemeyer, obviamente ainda em estudo preliminar”, ressaltou a secretária municipal. “O que existe hoje são estudos de mobilidade que indicam necessidade de obras de adequação, mas sem projeto executivo”, pontuou. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade